Os líderes da União Europeia planejam pelo menos duplicar as verbas para controle de fronteiras ao sul após a morte de centenas de imigrantes que tentam atravessar o Mediterrâneo para ingressar na Europa, de acordo com o rascunho de comunicado.

Os líderes das 28 nações da União Europeia se reunirão em Bruxelas nesta quinta-feira (23) para discutir a crise, que se tornou ainda mais trágica nos últimos dias, depois que um navio naufragou após deixar a Líbia, provocando a morte de centenas de pessoas.

De acordo com o rascunho do comunicado, a União Europeia "irá mobilizar todos os esforços ao seu alcance" para resolver o problema. No entanto, uma série de obstáculos práticos e políticos pode impedir o bloco de agir rápido. Talvez o principal deles seja a reação contra a imigração em muitos países da União Europeia.

O documento deve sugerir ao menos dobrar os recursos para controle de fronteira, permitindo "ampliar as possibilidades de busca e resgate" para salvar pessoas que tentem entrar na Europa.

O rascunho ainda diz que deverão ser elaboradas opções para uma possível operação militar para capturar e destruir navios utilizados para o transporte ilegal de migrantes. Provavelmente levará semanas até que se chegue a um acordo sobre este ponto.

Também há a expectativa de que seja fornecida ajuda a Itália, Malta e Grécia para lidar com o fluxo de migrantes que tem aumentado consideravelmente nos últimos anos por causa dos conflitos na Líbia, Síria e em outras regiões próximas.

A União Europeia irá também prestar apoio aos vizinhos da Líbia, incluindo Egito, Tunísia e Níger para ajudá-los a controlar melhor sua fronteira terrestre.

Fonte: Dow Jones Newswires.