Citado como organizador da mobilização dos caminhoneiros contra o aumento no diesel e por reajuste no frete, o Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC) informou nesta segunda-feira (23), que apenas apoia as ações que resultaram no bloqueio de rodovias em pelo menos seis Estados, mas não participa diretamente de nenhuma ação.

Em nota em seu site, a Associação Brasileira de Caminhoneiros (Abcam) também negou participação nos bloqueios. "A Abcam não está conclamando os caminhoneiros autônomos para participarem de nenhuma paralisação, muito menos para serem o bode expiatório de movimentos motivados por insatisfações políticas de quem quer que seja", informa nota assinada pela diretoria. E acrescenta: "Não lançamos nossos irmãos caminhoneiros em aventuras e quimeras apenas para satisfazer o ego, o ódio e o inconformismo de ninguém."

Já o presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Minas Gerais (Sindtac-MG), Antonio Vander Silva Reis, disse ter tomado conhecimento dos fatos pela imprensa - no Estado, a rodovia Fernão Dias, principal ligação com São Paulo, está bloqueada. "Nosso sindicato não aderiu e não está tendo participação até porque não foi convidado", disse.