O ex-integrante da Rede Sustentabilidade (grupo de Marina abrigado dentro do PSB), professor Apolo Heringer, acredita que o partido está dividido e tem dúvidas se a legenda apoiará Marina Silva para disputar as eleições presidenciais. “Acredito que uma coisa é ter Marina como vice, outra é ela como candidata a presidente. O PSB não tem esse perfil que a Rede anuncia. Agora as contradições vão explodir. O ambiente político é muito instável, muitas divergências estavam sendo mantidas com a mão do Eduardo Campos”, disse.

Segundo Apolo, PT e PSDB também devem tentar angariar o apoio do PSB, neste momento. “Acredito que vamos viver umas duas semanas de bastante articulação política dentro do PSB e Rede, com PT e PSDB doidos para por a mão no espólio, negociando apoio”, afirmou.

Outra possibilidade, na avaliação de Apolo, é o PSB não lançar candidato e a polarização entre PT e PSDB aumentar. “Se a Rede fosse dominante tudo bem, mas está como hospede, não tem candidato em estado nenhum, muita gente não confia na Marina”, concluiu.