A presidente Dilma Rousseff disse nesta terça-feira (1º), durante o anúncio do programa "Brasil de todas as telas", que o total de R$ 1,2 bilhão disponibilizado para o setor audiovisual brasileiro é o maior volume de recursos já direcionados para a cadeia de produção cinematográfica no País. "Os recursos irão melhorar as condições para a nossa produção audiovisual e serão distribuídos por toda a cadeia, desde a criação dos roteiros até a modernização do parque exibidor", disse Dilma. "Esse programa vem fazer justiça à criatividade do nosso País e transformá-la na base de uma grande indústria nacional", completou.

A presidente citou a evolução da renda da população brasileira como um dos fatores que justifica a crescente demanda por produtos e serviços culturais no País. "O cidadão brasileiro quer usufruir de todos os benefícios da civilização, dos quais a cultura é o ápice", afirmou. "Inclusão social tem que ser acompanhada de inclusão cultural, para que tenhamos cidadãos mais conscientes, que exigirão mais qualidade em todos os serviços e serão mais críticos e exigentes em relação às políticas públicas", acrescentou.

Com recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), o objetivo do Brasil de Todas as Telas é expandir o mercado interno, universalizar acesso da população aos serviços audiovisuais, com investimento na produção, distribuição e programação de conteúdos. Em todos os estados, o programa deve resultar em 300 longa-metragens, mais de 400 obras de TV, 2 mil horas de conteúdo para todas plataformas de exibição, além de 450 projetos para cinema e TV e o estímulo de criação em todas regiões do país.
 
O Brasil de Todas as Telas ainda oferecerá 5 mil bolsas para formação e capacitação profissional. Também serão oferecidos cursos de nível técnico em parceria com o Ministério da Educação, por meio do Pronatec Audiovisual – Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego.