O presidente de Cuba, Raúl Castro, anunciou que deixará o cargo em 2018, após cumprir o mandato de cinco anos para o qual foi reeleito no domingo (24). Esta é a primeira vez que é colocada uma data para o fim da era Castro. Raúl indicou Miguel Díaz-Canel, de 53 anos, como vice-presidente e o primeiro na linha de sucessão, em substituição a José Ramón Machado Ventura, de 81 anos, que lutou com os irmãos Castro na Sierra Maestra.

Em seu discurso de 35 minutos, Raúl, também de 81 anos, disse ainda que espera estabelecer limites de prazo e de idade para os cargos políticos, incluindo a presidência - uma perspectiva surpreendente para a nação liderada por Fidel Castro e seu irmão mais novo desde a Revolução de 1959.

"Este será meu último mandato", disse Raúl, dando a entender que serão feitas outras alterações na Constituição, algumas tão dramáticas que terão de ser ratificadas pelo povo cubano em um referendo. Mesmo assim, o presidente reeleito descartou qualquer ideia de o país abandonar o socialismo, dizendo que ele não havia assumido a presidência a fim de destruir o sistema de Cuba.

"Eu não fui escolhido presidente para restaurar o capitalismo em Cuba", disse. "Fui eleito para defender, manter e continuar o socialismo perfeito, não destruí-lo.'' Na sexta-feira, em tom de brincadeira, Raúl cogitou uma aposentadoria. As informações são da Associated Press.