SÃO PAULO (SP) – Finalmente, a Jaguar construiu um sedã que resgata o prestígio e qualidade do meu Mark II. O novíssimo XE acaba de chegar ao mercado e mostra que tem potencial para afrontar os concorrentes alemães da Audi, BMW e Mercedes-Benz. Posicionado na base da gama da marca britânica, o XE apresenta comportamento e performance irrepreensíveis, graças à combinação do uso da carroceria em alumínio (que permitiu que seu peso ficasse na cada dos 1.500 quilos), com um conjunto de suspensão sofisticada e motores sobrealimentados que o tornam uma delícia de dirigir.

Uma bem-vinda novidade foi o retorno da tração traseira, que pôs fim a heresia da “Era Ford” que travestiu o Mondeo de Jaguar. Vendido em três versões, com preços que vão de R$ 169.900 a R$ 299.900, a versão “básica” oferece construção de alta qualidade, acabamento impecável com uso de materiais de padrão elevado e toda parafernália eletrônica obrigatória num sedã de luxo.

Mas a graça do XE está no prazer em dirigir. Tanto a versão de entrada, quanto a intermediária Pure Tech são equipadas com motor turbo 2.0 de 240 cv, cedidos pela Ford. Por ser leve que, o Jag acelera com vigor e oferece ótimo comportamento. Ele utiliza conjunto de suspensão independente (double wishbone na frente e multilink na traseira) que o deixe firme nas curvas.

Já a versão S, que carrega um V6 3.0, equipado com compressor, de 340 cv, fazendo com que o “gatão” ruja forte e acelere de maneira truculenta.