Desde o ano passado que o Fox tem faróis, lanternas e para-choques inspirados no Golf. Mas a novidade do teste de hoje é a transmissão com seis marchas.

Quanto a ela, não basta afirmar que é um bom conjunto: trata-se de algo diferenciado, com suavidade e precisão ímpares. Como eu já disse em matérias anteriores, “dá para fazer as mudanças com o dedo mindinho”.

Coração

O motor é o novo EA 211, 1.6 16v flex sem tanquinho, que traz modernidades desenvolvidas para o up!, como menor peso, quatro bobinas e temperaturas diferenciadas para cabeçote a bloco. É um dos 1.6 mais ágeis e suaves que já dirigi. Pode acelerar fundo em qualquer rotação que ele aceita sem reclamar, apenas após as mudanças ele costuma dar uma engasgadinha chata que precisa ser eliminada. No consumo faz bonito, com médias de 16,2 km/l a 110 km/h em pista expressa e 10,2 na cidade, ambos com gasolina.

Estilo

Com ótima aceitação no mercado, o visual agrada, sobretudo pelo “upgrade” da semelhança com o irmão mais caro. Por dentro, sobretudo na versão mais luxuosa testada, ótimo acabamento com materiais e montagem elogiáveis.

Segurança

A versão testada traz air bags frontais dianteiros, freios com ABS, direção elétrica, assento do motorista com regulagem de altura, computador de bordo, controle de tração, alarme, sensores de estacionamento, terceiro apoio de cabeça no banco traseiro, volante multifuncional, vidros e travas elétricas e, opcionalmente, faróis direcionais e controle de estabilidade. Em “crash test” o modelo anterior ficou com 4 das cinco estrelas.

Transmissão

A sexta marcha trouxe maior silêncio e economia na estrada. Boas relações, engates precisos e alavanca leve, conferem ao conjunto o “estado da arte” na engenharia automotiva.

Suspensão, estabilidade e freios

Apesar da suspensão dianteira bastante ruidosa, sem bem que as características sejam de defeito na unidade testada, o conjunto é suave e proporciona conforto sem comprometer a estabilidade. Nas curvas a inclinação não é grande e o comportamento neutro até o limite de aderência transmite segurança. Controle eletrônico de estabilidade, só como opcional nas versões mais caras!

Mimos

Na versão testada, destacamos retrovisores elétricos, chave canivete com controle remoto, gaveta sob o banco do motorista, farol de neblina, rodas em liga com 15 polegadas e, opcionalmente, rodas em liga 16 pol. e, sistema multimídia com tela “touch”, comandos por voz, som HiFi, navegação GPS, bluetooth, viva voz para o celular e diversas entradas para aparelhos e cartão de memória externos.

No bolso

A versão Highline parte de salgados R$ 52.180,00, com opcionais o modelo testado salta para 59.234. Já a mais simples 1.6 fica em 42.850. Seus principais concorrentes, custam: Novo Palio Essence 1.6 R$ 48.373,00, New Fiesta Hatch SE 1.6 52.790 e Renault Sandero Authentique 1.6 41.790.