O histórico negativo contra a Alemanha em Copas do Mundo não preocupa o técnico da França, Didier Deschamps, às vésperas de um novo encontro. Mas ele, obviamente, gostaria que a página a ser escrita nesta sexta-feira (4), no Maracanã, seja mais bonita do que as das derrotas para o rival nas semifinais de 1982 e 1986.

"Não tenho nada a dizer quanto a pressão. Meus jogadores não estão sob pressão, a não ser pelo fato de ser uma partida de quartas de final. O que aconteceu no passado ficou para a história. Será escrita uma nova página. Esperamos que seja a página mais bela possível para nós", disse, nesta quinta-feira, logo depois de comandar o último treinamento da equipe, no palco da partida.

Deschamps avisou que percebeu um gramado seco no trabalho de reconhecimento - no qual os franceses já atuaram neste Mundial, na última rodada da primeira fase -, mas não demonstrou preocupação com o assunto, tendo em conta que o estádio carioca já recebeu cinco partidas na competição. Seu único foco, neste momento, é preparar bem a França.

Questionado se notava maior reconhecimento para sua seleção após a vitória por 2 a 0 sobre a Nigéria, nas oitavas de final (fase em que a Alemanha sofreu e passou pela Argélia apenas na prorrogação), o treinador lembrou que isso pouco importa. Até porque os dois times avançaram, e a dificuldade cresce de uma fase para a outra.

"A adversidade vai mudando na medida em que se avança. Apesar de a Nigéria ter tido escalação excelente, muito densa - tenho muito respeito por eles -, a Alemanha, em teoria, é melhor. Precisamos continuar fazendo o que fizemos bem até aqui, fazer mais, em todos os níveis. As exigências são ainda maiores. Precisamos ser capazes de fazer isso tudo bem", comentou, a pouco menos de 24 horas de começar a escrever outra página na história dos duelos entre franceses e alemães.

No retrospecto de Mundiais, a França tem apenas uma vitória sobre o rival europeu. Uma goleada, aliás. Foi em 1958, quando derrotou a Alemanha por 6 a 3 e conquistou o terceiro lugar. O quarto confronto está marcado para 13 horas (de Brasília) desta sexta-feira.