TERESÓPOLIS - Através do site da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o diretor de comunicação da entidade, Rodrigo Paiva, se pronunciou sobre a suspensão de uma partida que recebeu após ter supostamente se envolvido em uma briga com os jogadores do Chile após a partida das oitavas de final no Mineirão. Por meio de comunicado oficial, o assessor de imprensa afirmou que respeita a decisão da Fifa, mas que já encaminhou ao Comitê Disciplinar provas da conduta dos andinos, ao qual classificou como “reprovável”.
 
“Respeito, como sempre respeitei, as decisões da FIFA. O caso está sendo investigado pelo Comitê Disciplinar da entidade, e o mesmo já tem à sua disposição provas da conduta reprovável por parte de membros da delegação chilena e que trarão luz à verdade dos fatos”, declarou Rodrigo Paiva.
 
Nesta segunda-feira (30), a Fifa indicou que Rodrigo Paiva recebeu cartão vermelho pela atitude. Assim, ele não poderá acompanhar o embate das quartas de final contra a Colômbia, que será realizado na próxima sexta-feira, no Castelão.
 
Rodrigo Paiva é acusado pela assessora de imprensa da “Roja”, Maria José, de ter agredido o atacante Mauricio Pinilla, no intervalo do duelo entre as equipes, realizado no último sábado (28).
 
Através de sua conta oficial no Twitter, o atacante Mauricio Pinilla atacou Rodrigo Paiva e a Fifa, afirmando que exige da entidade uma punição exemplar ao chefe de imprensa da Seleção Brasileira, a quem chamou de “delinquente".
 
“O senhor Rodrigo Paiva, chefe de imprensa do Brasil, me agrediu com um soco no túnel sem razão. A Fifa não pode apoiar esse delinquente. Suárez, por uma mordida, arrisca sua carreira. Um chefe de imprensa (é punido) por uma partida por um soco na cara. Fifa? Exijo da Fifa uma punição exemplar ao Rodrigo Paiva tal qual a dada ao meu colega Suárez. Isso (o soco) é ainda mais grave. As imagens estão aí”, afirmou em uma série de publicações.