O Concorso d’Eleganza Villa d’Este é o “crème de la crème” da indústria automotiva. O encontro no suntuoso hotel Villa d’Este, na cidade italiana de Cernobbio, pertinho da fronteira com Suíça, é uma espécie de vitrine de conceitos de estilo para adoçar os olhos dos endinheirados. E é nesse cenário que a Mini e a encarroçadora italiana Carrozzeria Touring Superleggera revelaram o conceito Superleggera Vision Concept.

Trata-se de um roadster que consegue unir o tradicional estilo dos dois lugares britânicos, com a sofisticação do desenho italiano. O modelo ainda é um estudo e utiliza base da atual geração do Cooper. Mas servirá de fonte de inspiração para as novas versões descapotáveis da linha.

Seu para-brisas baixo e a barbatana sobre a tampa do porta-malas remetem aos antigos roadsters ingleses de competição, assim como a pintura azul esverdeada. Tanto os executivos da Mini quanto os da encarroçadora italiana afirmam que o conceito tem como inspiração o Mini Original, da década de 1960. “É um carro minimalista, de estilo energético, que encarna a essência dinâmica de um automóvel. Ao mesmo tempo, ele recria beleza emocional única em combinar o passado e o futuro da indústria automotiva com a associação de uma carroçaria artesanal e um estilo moderno”, filosofa o chefe de design da Mini, Anders Warming.

Veneno da lata

Por dentro, o minimalismo impera. Sob o volante, apenas um conta-giros com o velocímetro digital ao centro. No painel, a imensa tela redonda central, que une navegador GPS e demais funções, como entretenimento e computador de bordo, é recoberta pelo imenso revestimento do painel em alumínio. Já o console central exibe apenas o freio de estacionamento e comandos da transmissão.

Sob o capô, o conjunto mecânico não foi revelado, mas provavelmente o Superleggera recorre ao mesmo trem de força do Cooper JCW, com uso da unidade turbo 1.6 litro de 211 cv associada a uma transmissão automática de seis marchas.

Bom, um carro desses não precisa nem sair do lugar, pois é paradinho que ele encanta!