O chefão do Ultimate Fight Championship (UFC), maior evento de Artes Marciais Mistas (MMA) do mundo, Dana White, já foi totalmente contra a ideia de combates femininos na franquia. Segundo ele, não havia número suficiente de lutadoras para as diferentes categorias. O discurso mudou.

O sucesso de confrontos entre mulheres, principalmente os de Ronda Rousey, no Strikeforce (Liga Americana), fez o presidente do UFC rever a posição. “Absolutamente (o MMA feminino no UFC) vai acontecer. Estou comprometido com isso”, afirmou ele, que é um dos sócios da Zuffa, grupo que controla tanto o UFC quanto o Strikeforce. White, inclusive, tem sido visto frequentemente acompanhado por Rousey.

Não é novidade que o UFC ganhou espaço e se popularizou rapidamente no Brasil. Até a cantora Sandy, um dos “símbolos da candura”, se declara fã. Agora, as mulheres pedem passagem. Circula na Internet abaixo-assinado para que White realize o primeiro evento da franquia com a presença feminina. E uma das primeiras brasileiras a pisar o octógono seria Cris Cyborg. A adversária mais cotada é a famosa Ronda Rousey. A luta está sendo tão comentada quanto as masculinas. Além disso, a possibilidade de haver um UFC para mulheres deixa as atletas profissionais em alerta.

EXPECTATIVA

Entre elas, a potiguar Cláudia Gadelha, que mora no Rio de Janeiro, mas já residiu nos Estados Unidos para poder competir. No início do ano, ela participou de reality show canadense para lutadoras e garante que, se o projeto de Dana White for adiante, as brasileiras terão lugar garantido. “O Brasil tem vários nomes de sucesso, mas muitas são desconhecidas aqui, pois a maioria luta no exterior, em eventos que não são transmitidos no país”, explica.

Para ela, a realização de um UFC feminino será muito importante. “Abriria todas as portas. O MMA é muito visto no Brasil, mas nós, mulheres, ainda buscamos visibilidade”, argumenta a atleta, que faz questão de ressaltar que o UFC é a “cereja do bolo” na carreira. “É a melhor competição do mundo, a maior e que melhor paga. É o sonho de qualquer lutadora”, declara.

A sérvia naturalizada brasileira, Duda Yankovich, ex-campeã mundial de boxe e atual atleta de MMA, não teve meias palavras. “Dana White disse anteriormente que, de jeito nenhum, mulheres entrariam no UFC. Como bom homem de negócios, compreendeu que existem mulheres com alta qualidade técnica que poderiam fazer parte do UFC. Não é porque ele quer. Merecemos um lugar dentro do mundo de lutas”, disparou.