Bares e restaurantes adotaram novas medidas de funcionamento devido à pandemia pelo novo coronavírus. A grande maioria apostou no delivery para manter a clientela e minimizar os prejuízos. Agora, mesmo com autorização para voltarem a funcionar, muitos consumidores continuam optando pela entrega dos produtos em casa, que seria considerada mais segura. No entanto, especialistas alertam para os cuidados que se deve ter ao receber o material.

A nutricionista clínica Ilana Mendes Gonçalves, professora do curso de Nutrição da Fasi/Funorte, ressalta que mesmo os alimentos entregues em casa não estão livres do risco de contaminação pelo novo coronavírus. “Não há evidência científica de que a Covid-19 seja transmitida por meio de alimentos, pois o cozimento completo elimina o vírus. Entretanto, a higienização, especialmente das embalagens, se faz necessária”, explica Ilana. Ela ensina que deve-se usar água e sabão para higienizar as embalagens e, dependendo do tipo do material, pode-se utilizar também o hipoclorito e o álcool 70%. 

A higienização dos alimentos, como frutas e verduras, também deve seguir o protocolo de lavar e colocar no hipoclorito e deixar por um tempo. Segundo a nutricionista, isso previne contra o novo coronavírus e uma série de doenças que podem ser transmitidas pelos alimentos, como vírus, bactérias e parasitas. Nesse período de Covid-19, esse procedimento deve ser intensificado.

“É sempre importante conhecer a procedência dos alimentos que compramos prontos. Quando é restaurante, acho importante questionar o proprietário se há um nutricionista responsável e habilitado para monitorar as normas higiênicas sanitárias, que irão prevenir qualquer risco de surto de toxinfecção alimentar, e os controles microbiológicos serão mais rigorosos”, explica.

Outra sugestão da especialista é sempre procurar visitar a cozinha, onde a pessoa, mesmo sendo leiga, tem o conhecimento básico da importância dos processos higiênicos e consegue perceber se isso está sendo cumprido. “Nos supermercados, é importante se certificar sobre a higiene do local e sempre conferir a data de validade e o aspecto do alimento. São cuidados que devemos ter em nossa rotina para garantir a segurança alimentar, especialmente da nossa família”, ressalta.

COZIMENTO
E na hora de preparar os alimentos, a cocção, ou ato de cozimento, é de extrema importância, afirma Ilana. “Esse processo vai gerar a morte de muitos micro-organismos patógenos e favorecer o processo de digestão. Entretanto, ele pode levar à perda de algumas vitaminas e nutrientes. Se formos pensar no aspecto microbiológico, inclusive de segurança em relação à Covid-19, alimentos cozidos oferecem uma segurança maior. Mas, na nossa alimentação, devemos incluir alimentos crus, como as frutas, porque nelas é que vamos conseguir algumas vitaminas importantes, como a vitamina C, que além de ser um potente antioxidante influencia diretamente no nosso sistema imunológi-co”, exemplifica. 
 
ATENDIMENTO
A Funorte/Fasi presta atendimento nutricional à comunidade por meio dos acadêmicos do curso de Nutrição, sob a supervisão de um professor nutricionista, seguindo todas as recomendações da OMS: uma agenda menor, distanciamento social, uso de máscara e disponibilização de álcool em gel. Os atendimentos são feitos na Cemed e em alguns ASF da cidade, em parceria com o município, e também no ambulatório do Hospital das Clínicas Dr. Mário Ribeiro da Silveira.