No Brasil, cerca de 90% da população reconhece a importância da vacinação. Mas, na prática, apenas metade se preocupa em verificar se as doses estão em dia. A outra parte só checa a carteirinha por solicitação médica ou se algum familiar comenta sobre epidemias, por exemplo. Os dados, que constam em pesquisa realizada pelo Ibope Inteligência a pedido do laboratório Pfizer, preocupam e apontam para a necessidade urgente de mudança no comportamento das pessoas, alertam especialistas.

O levantamento corrobora as estatísticas oficiais: a imunização está sendo deixada de lado. Na última sexta-feira, a campanha nacional mais recente, contra o sarampo, foi prorrogada pela segunda vez. Prevista para ser encerrada hoje, agora termina em 31 de outubro. 

A ação está voltada para adultos de 20 a 49 anos, mesmo que já tenham tomado qualquer dose da proteção, frisa Josiane Gusmão, coordenadora de Imunizações da Secretaria de Estado de Saúde (SES).

Balanço parcial da pasta indicava que quase 7,2 milhões de mineiros ainda não tinham ido ao posto de saúde até 20 de agosto. Apenas 22% do público-alvo tinha sido vacinado.

Menores

A situação é crítica e respinga nas crianças. Ainda segundo o levantamento do Ibope Inteligência, 13% dos entrevistados acompanham somente a carteirinha dos filhos e 17% nunca verificam, não têm, não sabem se têm ou onde está o documento. Essa porcentagem sobe para 29% entre os que têm mais de 55 anos.

O cenário atual, inclusive, requer mudanças no comportamento da sociedade, frisa a médica Rosana Richtmann, integrante do comitê de Imunização da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI). 

“Uma das conse-quências da pandemia diz respeito às coberturas vacinais, em especial da população adulta, que estão cada vez mais baixas. É compreensível que as pessoas tenham medo de sair de casa, só saiam quando necessário, mas há outros vírus circulando, bactérias que podem causar pneumonia e, com a pandemia, é muito mais importante manter a vacinação em dia”, ressalta a médica. 

Em relação às crianças, a especialista destaca a queda de quase 30% na cobertura vacinal. “Ao discutir volta às aulas e um ‘novo normal’, o mínimo que devemos fazer é manter a nossa vacinação em dia”.

 

Além disso:

A pesquisa do Ibope Inteligência, a pedido da Pfizer, foi realizada em julho. Ao todo, 2 mil pessoas foram entrevistadas na capital de São Paulo e nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba e Salvador.

O levantamento mostrou, ainda, ser importante que os profissionais da saúde orientem os pacientes sobre vacinação, uma vez que a falta de diálogo com os especialistas pode contribuir para o panorama de desinformação a respeito do tema. Segundo dados da pesquisa, apenas 15% dos entrevistados relataram já ter conversado sobre a importância da imunização com o médico. 

“Embora muito se fale sobre imunização neste momento (de pandemia de Covid-19), é importante que a população sempre esteja atenta para as vacinas requeridas na carteirinha. Apesar de simples, esse ato é capaz de salvar vidas. Quando não prevenidas, diversas enfermidades podem, juntas, levar a quadros de saúde graves e de difícil identificação”, afirma a diretora médica da Pfizer Brasil, Márjori Dulcine.