A pandemia de Covid-19 não precisa relegar a segundo plano a saúde dos animais de estimação. Atendimentos são feitos normalmente, com segurança para tutores e pets, no Hospital Veterinário Renato de Andrade (HVET ). A unidade, que tem equipamentos e profissionais qualificados para realização de cirurgias em animais de grande e médio porte, tem grande procura e segue de portas abertas. As consultas têm preço popular. 

Para se ter uma ideia da demanda, durante três dias de mutirão de atendimentos clínicos o HVET atendeu 120 pets. 

Todos os profissionais envolvidos, médicos e estudantes do curso de medicina veterinária, estão seguindo as normas de proteção contra a Covid-19, como preconiza a Organização da Mundial de Saúde (OMS). Os tutores também utilizam máscaras de proteção e álcool em gel. 

As consultas para o mutirão foram previamente agendadas para evitar aglomerações no ambiente, garantindo também a qualidade do atendimento. 

Segundo o coordenador administrativo do Hospital Veterinário, Lucas Mendes, o mutirão foi de grande valia para os animais e tutores.

“Recebemos nesses três dias cerca de 120 animais de pequeno porte, em especial, cães e gatos. A equipe de médicos veterinários, juntamente com os acadêmicos do último período do curso, realizou os atendimentos, orientando os tutores quanto à alimentação, vermifugação e vacinação. Foi uma oportunidade de fazer uma avaliação clínica e encaminhar os animais para os procedimentos necessários, proporcionando uma melhora na qualidade de vida desses animais”, ressalta o coordenador da unidade hospitalar animal. 

O coordenador e professor do curso de Medicina Veterinária da Funorte, Raul Dornas, diz que em cada dia do mutirão foram atendidos animais de diferentes grupos. 

“O HVET possui parcerias com ONGS de proteção animal para que possamos viabilizar o acesso aos atendimentos e colaborar com a qualidade de vida dos pets que são abandonados e/ou sofrem maus-tratos. Durante o mutirão, além da população carente, pudemos atender também os animais resgatados pelas ONGS, o que para nós é muito gratificante”, afirma o coordenador.

Ainda de acordo com Dornas, o mutirão também foi uma maneira de agregar conhecimento e experiência para os acadêmicos de Medicina Veterinária. 

Nos atendimentos foram envolvidos internos, estudantes do último período do curso, que puderam auxiliar a equipe nos procedimentos – eles fizeram triagens e estabeleceram um primeiro contato com os animais e tutores. Nos consultórios, auxiliaram nos atendimentos e na prescrição de medicamentos. 

Cláudia Bacchi é umas das líderes da Casa da Dinda, projeto de proteção animal. Ela comenta que o mutirão foi muito importante para ajudar os animais que estavam em estado de vulnerabilidade. 

O Hospital Veterinário Renato de Andrade realiza atendimentos clínicos mediante agendamento pelo telefone 3215 9869 ou (38) 99878 0862.