A terceira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe começou nesta segunda-feira (11) e será dividida em duas etapas. A primeira, até domingo (17), tem o objetivo de imunizar as pessoas com deficiência, crianças de seis meses e menores de 6 anos, gestantes e mães no pós-parto de até 45 dias. Já a segunda, entre 18 de maio e 5 de junho, contempla os professores das escolas públicas e privadas, além de adultos de 55 a 59 anos.

A subdivisão foi adotada como estratégia pelo Ministério da Saúde (MS) para evitar aglomerações nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) dos municípios.

Segundo a coordenadora Estadual do Programa de Imunizações da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), Josianne Gusmão, na atual situação de enfrentamento à Covid-19, é muito importante que haja grande adesão da população à campanha. A expectativa é vacinar 3.583.349 pessoas desse público em todo o Estado.

De acordo com especialistas, a dose contra a gripe não protege contra o novo coronavírus, mas é fundamental para prevenir vários tipos de influenza. 

“A vacinação é de extrema importância porque protege o indivíduo contra umas das formas mais graves da gripe, que é o H1N1. É a única forma de proteção. E, neste momento, a importância se torna ainda maior porque a influenza pode levar a uma piora do quadro respiratório. Ou seja, pode agravar ainda mais os sintomas (de coronavírus)”, completou Débora Cristine Gomes Pinto, coordenadora do curso de Enfermagem das Faculdades Kennedy.

A campanha segue até 5 de junho. Quem perdeu a vacinação na primeira etapa (que contemplou idosos com 60 anos ou mais de idade e trabalhadores da saúde) e na segunda (indígenas, pessoas com comorbidades, pessoas privadas de liberdade, funcionários do sistema prisional, forças de segurança e salvamento, caminhoneiros e trabalhadores do transporte coletivo) ainda poderá receber a dose.

Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% e 45% o número de hospitaliza-ções por pneumonias, de 39% a 75% a mortalidade global e, ainda, diminuir em aproximadamente 50% as doenças relacionadas. “A vacina contra influenza é a medida de prevenção mais importante para proteger contra a doença”, aponta Josianne Gusmão.

 

Mais da metade das doses já foram repassadas aos municípios

Para a terceira etapa da Campanha de Vacinação, a Superintendência Regional de Saúde já repassou aos municípios 57% das doses necessárias.

Segundo dados do DataSUS, até a última sexta-feira (8) foram vacinadas, em Minas, 2.710.281 pessoas com 60 anos ou mais, além de 513.582 trabalhadores de saúde – público da primeira fase.

Na segunda fase, a imunização chegou a 1.625.085 cidadãos do público que incluía indígenas, pessoas com comorbidades, pessoas privadas de liberdade, funcionários do sistema prisional, forças de segurança e salvamento, caminhoneiros e trabalhadores do transporte coletivo.

No Norte de Minas, foram vacinados mais de 125,8 mil idosos com mais de 60 anos. Com isso, a região superou a meta de obter uma cobertura vacinal de, no mínimo, 90%, conforme previsto pelo Ministério da Saúde. 

No caso dos idosos, até o momento os municípios que apresentaram maiores percentuais de aumento do número de pessoas vacinadas foram São João da Lagoa (55,81%), Vargem Grande do Rio Pardo (46,91%) Guaraciama (39,26%), Cristália (35,93%), Glaucilândia (35,75%), Botumirim (32,21%), Jaíba (31,57%), Juramento (31,43%) e Montes Claros (30,35%).

A meta de imunizar 90% dos trabalhadores da saúde também já foi superada na região. Dos 24.042 profissionais estimados pelo Ministério da Saúde, já foram vacinados 22.184, o que corresponde a 92,27%.

Na segunda etapa foram vacinadas mais de 34 mil pessoas.

*Com Agência Minas