O programa “Percursos Gerais: Trajetória para a Autonomia”, lançado pelo Estado no fim de 2019 para reduzir a vulnerabilidade social, chega ao Norte de Minas na próxima terça-feira, 3 de março, por meio da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amams). Participa do evento, que acontece em Montes Claros, a secretária de Estado de Desenvolvimento Social, Elizabeth Jucá.

“Será uma oportunidade para conhecer os benefícios mais precisos do programa e para que os gestores estejam atentos às ações que o governo está promovendo no setor. Isso vai auxiliar na qualidade do serviço e na melhoria da qualidade de vida dos usuários”, diz a psicóloga Laila Santos, coordenadora do Departamento de Assistência Social da Amams.

A psicóloga alerta que o papel primordial na redução da vulnerabilidade social é dos municípios. Por isso, o órgão abriu o evento à participação de gestores que ainda não estão contemplados nesta fase inicial do programa, mas que queiram adquirir conhecimento.

A etapa inicial do Percurso Gerais contemplam, segundo a Amams, mais de 20 municípios da região. 

“O contato com as famílias é feito com os municípios, por meio dos serviços no âmbito da assistência social e educação. O que nós fazemos é a interlocução de trazer o governo para cá e oportunizar aos profissionais deste segmento que possam conhecer e atuar dentro do projeto. E para os que não estão inseridos nesta fase do programa, planejamos uma agenda de maneira que eles tenham um momento com a Secretária Elizabeth Jucá na parte específica da assistência social”, diz Laila. 

O Percurso Gerais prevê atendimento a 73 municípios de diversas regiões de Minas até 2021. A escolha das cidades contempladas é feita com base no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). 

A iniciativa busca criar articulações de órgãos internos ao governo, estabelecer parcerias estratégicas externas e captar recursos por meio de fundos de financiamento e emendas parlamentares para subsidiar ações de geração de renda, esporte e lazer, assistência social, segurança alimentar e nutricional, habitação social, direitos humanos e política de prevenção e cuidado sobre drogas, a fim de gerar renda e dar autonomia às pessoas em situação e vulnerabilidade.

Embora o IDH de Montes Claros não esteja entre os mais baixos, dados de 2018 da Sedese apontavam para 15 mil pessoas vivendo em situação de alta vulnerabilidade social no município. Em razão de sediar o evento e com base nessas estatísticas, o secretário de Desenvolvimento Social de Montes Claros, Aurindo Ribeiro, foi convidado para o encontro na Amams. Procurado pela reportagem, ele não retornou as ligações até o fechamento da edição. 



O programa pretende estabelecer ações que contribuam para que os indivíduos pobres e extremamente pobres dos municípios participantes possam sair dessa condição e caminhar em direção 
à autonomia