O projeto “Reciclar: Menos Lixo, Mais Segurança Alimentar”, da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG) e da Prefeitura de Glaucilândia, acaba de conquistar seu décimo prêmio ambiental, em cerca de seis anos de atividade. 

A iniciativa fez parte das ações que deram à Emater-MG o primeiro lugar, na categoria Destaque Estadual, do 11º Prêmio Hugo Werneck de Sustentabilidade e Amor à Natureza, de referência nacional, anunciado em cerimônia virtual em 28 de janeiro. Outros nove projetos da empresa também foram avaliados e aprovados pela premiação.

O projeto premiado estimula os moradores rurais a coletar e juntar os resíduos recicláveis em suas propriedades e, depois, a trocar esse material por mudas frutíferas certificadas, sementes de hortaliças e pintinhos. 

A ideia do projeto surgiu em 2014, quando o técnico da Emater-MG Antônio do Nascimento percebeu que era preciso fazer algo para conter o acúmulo de resíduos nas comunidades rurais do município. Então, em 2015, em parceria com a prefeitura local, surgiu o projeto “Reciclar: Menos Lixo, Mais Segurança Alimentar”.

“Ao invés de usar a moeda corrente, que é o real, optamos por oferecer insumos agrícolas e aves, pois a intenção do projeto é promover, ao mesmo tempo, a conscientização ambiental, a geração de renda e uma alimentação mais saudável no município”, afirma Antônio. 

O extensionista explica ainda que, para permitir a participação de moradores do meio urbano no projeto, ficou decidido oferecer ainda como moeda de troca sabão e detergente para aqueles que não dispunham de área para plantar ou criar pequenos animais. 

A prefeitura vende os resíduos coletados no meio rural a empresas de reciclagem, gerando recursos para a compra de novas mudas frutíferas, pintinhos e sementes de hortaliças. 
 
RESULTADOS 
Até 2020, o projeto beneficiou diretamente cerca de 530 famílias do município do Norte de Minas. “A coleta de resíduos contribuiu com a diminuição dos focos de dengue e acidentes domésticos na zona rural, bem como a mortalidade de bovinos e o depósito de lixo às margens de rios e córregos da região”, explica o secretário de Meio Ambiente de Glaucilândia, Cleidson Carpeggiane. 

A iniciativa também reduziu os gastos da prefeitura com lixão e eliminou as multas por depósitos inadequados de lixo no município. Graças à iniciativa, até o fim de 2020, foram coletados 7,5 mil quilos de ferro velho, 4,1 mil quilos de plástico, 3,6 mil quilos de metal, 2,5 mil quilos de papelão, 120 baterias e 400 litros de óleo vegetal saturado. 

Todo esse material, que antes poluía o meio ambiente nas propriedades rurais, foi encaminhado para uma empresa recicladora. Em troca dos resíduos, foram distribuídas para a população: 5 mil mudas frutíferas, 90 bandejas de hortaliças com cerca de 200 mudas cada, 2,5 mil pintinhos, além de sabão e detergente que têm ajudado bastante a população na pandemia. 

Projeto ampliado
Devido ao sucesso do projeto, ele já está sendo implantado em outros municípios. Para Antônio do Nascimento, as premiações têm sido um estímulo para a manutenção e divulgação do projeto. “É ótimo ganhar prêmio, mas é mais importante que o projeto tenha continuidade. Os quintais continuem limpos, os agricultores felizes com a melhoria da alimentação e o meio ambiente esteja mais limpo”, argumenta. 

RECONHECIMENTO
Dois dias antes da décima premiação, o projeto também foi reconhecido pelo IV Prêmio de Boas Práticas Ambientais “Tecnologias Sociais e Sustentáveis”, do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema), na categoria “Melhor Prática ou Projeto de Tecnologia Social com Impactos Positivos no Meio Ambiente”. 

*Com Agência Minas