A Sony segurou ao máximo os preços do PS5, mas finalmente divulgou os valores da nova geração do console: a partir de US$ 399 na versão digital e US$ 499 na edição com leitor Blu-Ray. Ficou dentro do esperado, tendo em vista o anúncio da Microsoft, dias antes, para os novos Xbox Series X e (US$ 499) e Xbox Series S (US$ 299). Por aqui ele custará R$ 4,5 mil, na versão digital, e R$ 5 mil, na edição com leitor de discos. 

As vendas terão início em 12 de novembro nos Estados Unidos, Canadá, México, Japão, Austrália, Nova Zelândia e Coreia do Sul. No resto do mundo, o inclui o Brasil, as vendas começam em 19 de novembro, com foco nas vendas de Black Friday e também de Natal. 

A missão do PS5 é audaciosa, por isso chega ao mercado com duas opções, em que uma utiliza leitor de discos e a segunda roda apenas games digitais. Uma estratégia parecida com a que a Microsoft já adota com o Xbox One. 

No Disc!

Valores e versões deixam bem claro qual é a estratégia que a Sony vem costurando há bastante tempo: acabar com games impressos em disco. Games digitais eliminam custos de distribuição, insumos, além de impedir que o game usado seja revendido. 

O interesse é tamanho que junto da divulgação dos preços a Sony anunciou o PlayStation Plus Collection, que permitirá fazer o download de games do PS4 no PS5. A lista inclui títulos como “God of War”, “The Last of Us: Remastered”, “Mortal Kombat XI” , “Batman Arkham Knight” , “Uncharted IV: A Thief’s End”, dentre outros.

Desempenho

Mas fato é que o PS5 precisa superar o excelente desempenho de seu antecessor, que ultrapassou a marca de 110 milhões de unidades vendidas, desde o lançamento no final de 2013. E para conseguir repetir a façanha, a Sony sabe que a combinação de games exclusivos, hardware e preço é fundamental. 

Em termos de hardware, o PS5 não consegue superar o novo Xbox em velocidade de processamento. Ambos utilizam CPU AMD Zen 2. Mas o PS5 roda em até 3,5 GHz e o Xbox Series X vai até 3,8 GHz. Já o processamento gráfico do rival também é melhor. São 12 Teraflops contra 10,8 do PS5. 

Pode parecer pouco, mas trata-se de cerca de 10% mais performance. Ainda mais para uma geração que terá games em 4K, taxa de frames de 120 FPS e efeitos de iluminação Ray tracing. 

Em termos de armazenamento, o modelo japonês utiliza SSD de 825 GB, enquanto o Microsoft chega com 1 TB de espaço, também em SSD. Mas a taxa de transferência do japonês é o dobro do Xbox. São 5,5 GB/s por 2,4 GB/s. 

Além disso, o PS5 conta com slot que permite expansão de memória no padrão SSD NVMe, diminuto e muito mais rápido que um disco sólido convencional. 

E velocidade de leitura é o que conta. Em janeiro publicamos um teste de um PS4 (da primeira leva) que teve o disco rígido substituído por um SSD. O desempenho teve um ganho absurdo.