Cozinhar, para Dilma Pimentel, é antes de tudo realização profissional, é escolha, doação, prazer e superação. É um sacrifício intenso e doce, mas também é sinônimo de renúncias, de muitas coisas deixadas para trás, em troca de ganhos que ela tem conquistado. Daí a necessidade de a chef sempre procurar a excelência. 

“Não dá para se aventurar em uma profissão a cada estação. Mas devemos nos firmar naquilo que nos realiza e executar com perfeição, com inteireza”, conta.
Nesta entrevista, ela nos fala sobre o que é cozinhar, dá dicas para quem está se aventurando na cozinha nesses dias de isolamento e também sobre o projeto social que participa.
 
A quarentena talvez seja uma oportunidade para muita gente se reconectar com a comida ou mesmo começar a cozinhar em casa. Que dica você dá para quem está se aventurando na cozinha nestes dias?

O isolamento social nos atropelou com os mais diversos sentimentos: medo, preocupação financeira, com a saúde, com o emprego, solidão, fragilidade, impotência, tristeza. No entanto, outros sentimentos adormecidos vieram à tona, como o olhar para o outro que até então estava à margem ou mesmo invisível, aflorando a solidariedade, o desejo de ser refrigério na vida de alguém, bem como enxergar atributos até então desconhecidos, como fazer pequenos reparos em casa, cozinhar para a família... Nessa descoberta dessa nova realidade, temos visto muitas postagens de receitas e muitas dúvidas. Como profissional da cozinha, recomendo aos novos aprendizes desse mundo mágico e cheio de aventuras que comecem por receitas fáceis, executáveis para um amador. Em qualquer área do aprendizado, se começarmos por um nível elevado, o risco de dar errado é muito alto e, dando errado, não nos motivamos à continuidade. Dê um passo a cada dia, pois ninguém vai virar um Paul Bocuse cozinhando na quarentena.
 
Alguns iniciantes da cozinha têm uma inclinação para elaborar muitas sobremesas ou pratos não muito saudáveis, não é?

É importante lembrar que não sabemos o tempo que ficaremos em isolamento social e que este tem limitado nossas atividades físicas habituais, ou seja, temos consumido mais calorias e gastado menos. Com isso, a possibilidade de ganhar peso e perder saúde é alta. Sugiro que façam sobremesa apenas uma vez por semana e elaborem pratos leves, fáceis e mais saudáveis no decorrer da semana. Ensinem a seus filhos a comer comida de verdade, com sabor dos ingredientes, variando carnes e introduzindo pratos vegetarianos pelo menos uma vez por semana, como uma lasanha de berinjela ao sugo, um ratatouille ou um risoto caprese. Outro detalhe importantíssimo: não vá para cozinha com má vontade, com sentimentos negativos. Eu desconheço uma boa comida feita sem paixão, “sem se dar”. Cozinha é lugar de gente inspirada, alegre e ousada. 
 
Você foi entrevistada pela equipe do É de Casa, da Rede Globo. Como foi a experiência?
Não foi o capítulo mais importante da minha trajetória gastronômica. É bom ver seu trabalho florescer, mas ouvir de alguns clientes que sente amor comendo uma comida que você fez, tem um peso gigante, traz realização, mostra que sua colheita está condizente com sua semeadura, que você está no caminho certo. O retorno de meus clientes chancela meu trabalho, diz se meu trabalho está valendo a pena. Ninguém melhor do que meus clientes para balizar ou não esse ofício. A TV é bacana, mas não convence quanto sua vida real.
 
Conte um pouco sobre o trabalho social que você desenvolve na cidade:
Há mais de 15 anos me envolvi em trabalhos sociais, fazendo teatro em creches, contando histórias para crianças, promovendo festivais gastronômicos beneficentes e fazendo sopas para pessoas em situação de rua. Este último trabalho foi idealizado por Willian Borges há mais de cinco anos e estamos juntos desde o início. Uma vez por semana elaboramos 70 a 100 refeições e entregamos, em veículo próprio, nas imediações da Rodoviária, do Hospital Universitário, do Mercado Municipal, da Praça da Matriz, da Praça da Estação, dentre outros. Recebemos doação de insumos, como marmitex, feijão, macarrão, legumes e gás, mas o material humano, junto à boa vontade, é imprescindível para que esse trabalho frutifique. Eu, Willian Borges, a esposa dele, Gabrielle Mourão, Lavínia (filha do casal), Ana Vitória (minha filha), Weder David e Matheus Muniz somos os trabalhadores fixos desse projeto. Amar, partilhar e dar de si mesmo são as chaves para um trabalho bem feito, seja na gastronomia ou em qualquer esfera. Em tempos difíceis como estamos vivendo, temos que encontrar meios de não isolar nossa capacidade de servir, de doar, de sermos generosos e úteis. Quanto mais damos, mais recebemos e nos fartamos de graças. Tem sempre alguém que requer nossos cuidados e nossa compaixão e, no meio de tantas intempéries, vemos que há sempre um motivo para sorrir, louvar e bendizer. O importante é estarmos no páreo, combatendo na arena da vida, para não enterrar os tantos talentos que recebemos.

Facebooks: Doadoria – A Rede do Bem (http://www.doadoria.com.br/) e Ateliê Gourmet Dilma Pimentel Lima (WhatsApp 99129-8863). 

Veja três receitas de Dilma Pimentel para você fazer em casa

Bolo de Capim-Santo
Ingredientes:
- 4 ovos
- 1 ½ xícara de açúcar
- ½ xícara de óleo
- 2 ½ xícara de farinha de trigo
- 1 xícara de leite
- 1 limão tahiti (suco e raspas)
- 3 xícaras de capim-santo fresco picado
- 1 colher (sobremesa) de fermento para bolo em pó

Modo de Preparo: 
Bater o capim-santo bem picado com uma xícara de leite. Depois coe e extraia todo o líquido, reservando.
Retirar as raspas do limão e reservar.
Espremer o limão no leite aromatizado com o capim.
Separe as claras das gemas; bata as claras até o ponto de neve e reserve.
Em outra tigela, bater as gemas com o óleo e o açúcar, depois vá adicionando aos poucos a farinha, intercalando com o leite. Depois de bater tudo, desligue a batedeira e adicione as raspas de limão, o fermento e as claras, mexendo à mão, delicadamente. Coloque em forma untada e leve para assar em forno pré-aquecido a 200º, por cerca de 30 minutos, a depender do forno. Lembrando que a xícara de referência é de 200ml.

Sardella (antepasto italiano)
Ingredientes:
- 4 pimentões vermelhos picados em cubos bem pequenos - cerca de 600g já limpo
- 1 cebola picada em cubos bem pequenos - cerca de 80g
- 4 dentes de alho finamente picados
- 1 pimenta dedo-de-moça finamente picada
- 5 colheres (sopa) de azeite
- 150g de tomate Andrea ou sweet grape picado ou 1 lata pequena de extrato de tomate
- 2 latas pequenas de sardinhas e/ou aliche e/ou anchovas
- Sal e páprica (doce, picante ou defumada) o quanto bastem

Modo de preparo:
- Refogar em fogo baixo o alho, os pimentões, a pimenta e a cebola em parte do azeite. Acrescente um pouco de sal, páprica e tampe a panela – essa etapa dura cerca de 15 minutos
- Junte o tomate picado e refogue mais um tempo. Se for extrato de tomate, adicione depois da sardinha
- Eu dei a opção de 2 peixes, que são os usados na sardella italiana. Aliche é bem salgado e marcante e pode ser adicionado apenas um pouquinho. Lembrando que Aliche é o peixe em seu estado natural e a anchova é o resultado da salmora do mesmo.
- Adicione as sardinhas (defumada ou no molho de tomate, de preferência) e vá amassando até ficar toda desfiada, mexendo sempre para não queimar, lembrando que não pode adicionar água. Fogo baixo, panela tampada e mexer sempre. Sendo necessário, vá adicionando mais azeite e corrigindo o sal. O tempo de cozimento é em torno de 1 hora.
- No meio do processo ou no fim, é praxe processar nosso cozido, ou bater no liquidificador ou num mixer, formando uma pasta, retornando à panela para terminar de apurar. Na sardella da foto eu não processei, apenas apurei no fogo.
- Estará pronta depois que estiver bem cremosa e secar toda água dos ingredientes. Deixe esfriar bem antes de guardar na geladeira. Cubra com um fio generoso de azeite, servindo gelada com pãezinhos. Bom Apetite.

Guacamole (antepasto mexicano)

Ingredientes:
- 2 abacates maduros, mas não muito moles – cerca de 500g
- 50g de cebola roxa picada em cubos bem pequenos
- 1 tomate Andrea picado em cubos pequenos ou 100g de tomatinhos sweet grape cortados ao meio
- Suco de 1 limão
- 1 pimenta dedo-de-moça bem picada
- Sal, azeite e folhas de coentro o quanto bastem

Modo de Preparo
Num recipiente, pique a cebola e sobre ela já coloca o azeite, sal e o suco de limão.
Pique a pimenta e junte à cebola. Se quiser, antes de qualquer procedimento, emulsionar com um fuê o azeite e o limão, faça-o para torná-lo mais cremoso e denso, antes de juntar à cebola.
Pique o tomate e as folhas de coentro, mas reserve para adicionar por último.
Retire a polpa dos abacates e amasse grosseiramente com um garfo, junte à cebola, mexa e experimente o sal e a acidez. 
Se precisar, acrescente mais sal, mais limão ou mais azeite.
Por último, junte o tomate e o coentro em folhas. Sirva com pãezinhos, chips de batatas ou tortilla.