O futurismo que emergiu no início do século XX, desencadeado pelo Manifesto Futuristas, do poeta Felippo Marinetti, vislumbrava uma concepção artística tendo como combustível o desenvolvimento da tecnologia. Uma corrente de pensamento que influenciou o mundo a partir daí. Produções como “Metrópolis” (1927) retratavam o futuro, assim como “Os Jetsons”, de 1962. 

Nessas ficções se imaginava um mundo em que máquinas assumiram rotinas de nosso cotidiano. Na animação da Hanna-Barbera, o robô Rosey era a empregada da casa, capaz de manter tudo sobre controle na casa de George e Jane Jetson. 

Ter uma Rosey em casa se tornou obsessão para muita gente. E agora aquela visão cartunesca está ganhando forma. Na CES 2021 (que este ano acontece em formato digital), várias marcas apresentaram aparelhos que assumem rotinas do lar. Ainda não há um ciborgue com avental na cintura, mas há máquinas inteligentes que cuidam da casa.

A Samsung apresentou o JetBot 90 AI+, que além de funcionar como um aspirador de pó é inteligente. A diferença é que o aparelho consegue identificar objetos ao redor, inclusive pequenos objetos, que não devem ser sugados. 

Ele também faz um mapeamento do ambiente e sempre que é ativado verifica se algum móvel ou objeto teve posição alterada. No fim do ciclo de limpeza, ele retorna à base e faz o descarte da sujeira.

"O que a CES 2021 apresentou foi um passo rumo a um futuro melhor, mais conectado, mais sustentável, mais acessível e mais personalizado. O JetBot 90 AI+ é o primeiro aspirador robô movido pela IA que utiliza sensores 3D e uma câmera para realizar o processo de limpeza e até mesmo atuar como um sistema de monitoramento para seu pet ou sua casa”, aponta, a gerente de produtos de linha branca da Samsung Brasil, Karina Camargo.

A sul-coreana ainda apresentou conceitos de robôs que podem distrair animais de estimação, quando estiverem sozinhos, atuar como secretária, enviando lembretes de compromissos e até mesmo uma máquina capaz de carregar objetos. A Ubtech também apresentou “cyborgs” de limpeza, que utilizam luz UV para esterilizar superfícies.

A Hills Engineering, por sua vez, criou o Coro-Bot, que tem como função desinfetar ambientes. Ele é capaz de identificar locais que precisam de limpeza e usa luz ultravioleta para esterilização.

Aos poucos essas traquitanas tecnológicas vão deixando de ser um vislumbre da ficção e ganhando vida própria, até o dia que literalmente assumam a forma e sabedoria de Rosey.