O teatro e as artes plásticas já teriam descoberto como abdicar dos espaços fechados e chegar às ruas. A dança contemporânea, no entanto, ainda elabora como deixar o linóleo, a parafernália do palco e ir surpreender um público transeunte. Sobretudo em Minas.

O que não impediu que o projeto Horizonte Urbanos Vivo Encena pudesse articular uma programação provocativa para sua 4ª edição, que começa nesta terça-feira (10), com quatro atrações. Todas têm acesso gratuito.

Previsto para durar até o próximo domingo e invadir diversos espaços públicos da cidade, da Rodoviária às praças da Liberdade e da Savassi, o projeto vai oferecer 20 apresentações de nove coletivos: Brasil (seis), Espanha (dois) e França. Provocar maneiras novas de enxergar a dança e a cidade ao propor pas de deux de bailarinos com bicicleta (Boleto de 4), escavadeira (o francês Transports Exceptionelles) e com a cena urbana da cidade.

Bancado com recursos de leis de incentivo, o projeto programa ainda um workshop com a Cia Clarice Lima (SP), de onde sairão oito dos 11 participantes de “Árvores”, que se colocam de ponta-cabeça em espaços abertos até a exaustão, e um debate sobre as especificidade da dança na rua, que em BH ainda seria muito encarada como instalação, enquanto a curadoria do projeto busca enfatizar mais o movimento.

Obrigado pela observação. Já estamos modificando a informação no hotsite.