Marco Ricca está em 99% das cenas do filme “Lamento”, drama com elementos de suspense que estreia nesta quinta-feira (26) nos cinemas. “Marco carrega o filme. Ele se entregou muito para o projeto. Isso está bem nítido na tela”, registra Claudio Bittencourt, que assina a direção ao lado de Diego Lopes.

Ricca faz um dono de hotel decadente que vive um momento extremamente difícil na vida. Ao mesmo tempo que está mergulhado em dívidas, correndo o risco de perder o hotel, e vê o distanciamento da mulher, recebe um hóspede que vira sinônimo de dor de cabeça.

“Bastava a ele sentar na mesinha de escritório do personagem e acender o primeiro cigarro para vermos a transformação acontecendo”, elogia Bittencourt, que estreia em longa-metragem, assim como Lopes. Eles já trabalharam em curtas fazendo dobradinha, mas “Lamento” significou um desafio em vários sentidos.

“Longa é outro nível de experiência. A responsabilidade é maior, mesmo com todo o trabalho que já fizemos com audiovisual”, assinala Bittencourt. Para tudo funcionar bem, o entrosamento da dupla teve que chegar a 100%. “Pensamos em cada aspecto do filme para termos o mesmo norte. A gente conseguiu se completar de maneira muito sinérgica”.

Outro grau de dificuldade foi trabalhar sobre uma história em que o grande vilão é o próprio protagonista. “Resolvemos não trabalhar com esse conceito de bom e mau. Existem algumas atitudes bem destrutivas, mas o que define o que é bom ou mau é de acordo com a moral de cada um”, registra o diretor.

Bittencourt salienta que eles tentaram deixar os personagens livres, de forma que eles realmente reagissem ao que acontecia no ambiente deles. “As pessoas dificilmente são más na vida real, num sentido vilanesco. Elas têm alguma modificação de vida que as leva a agir daquela maneira. Tivemos esse cuidado de deixar os personagens soltos, de forma uma que essa experiência ficasse próxima à vida real”, afirma.