Durante a quarentena, momento em que bares e restaurantes estão fechados, muitos apaixonados por gastronomia passaram a aprender sobre harmonização de pratos com bebidas alcoólicas diferenciadas em casa. No Dia dos Pais, quando muitos homens ganharam cervejas de presente, vale a pena aprender um pouquinho como a bebida pode ser combinada a pratos principais ou com tira-gostos.

Coordenador do curso de gastronomia da Faculdade Promove, Jackson Cabral explica que a harmonização pode ser feita por semelhanças ou por contrastes, dependendo do perfil do apreciador. “A combinação mais simples é de cervejas fortes com pratos mais intensos e cervejas mais leves com pratos mais sutis”, disse o chef.

Mas, assim como já é feito com vinho, também se pode trabalhar um contraste entre os aromas e sabores da cerveja com a comida. “Você não combina cerveja com aroma de chocolate com alimentos que remetam ao cacau, por exemplo, nem se harmoniza cerveja amarga com algum prato que tenha um alimento com amargor. Nesse caso, se busca um contraste”, afirmou o Jackson, lembrando que as bebidas mais frutadas combinam perfeitamente com alimentos mais leves, como frutos do mar e queijo Minas.

Dicas preciosas

Também professora do curso de Gastronomia da Faculdade Promove, Cidinha Lamounier dá várias dicas para que a harmonização seja feita sem mistérios, permitindo uma melhor apreciação de bebidas e comidas. Confira:

- Um prato de carne com molho intenso, deve-se buscar as bebidas mais encorpadas e complexas;

- Se a preparação for rica em gordura, recomenda-se cervejas bastante lupuladas, carbonatadas e com alto teor alcoólico;

- Já para acompanhar pratos leves e frutos do mar, o ideal é recorrer às cervejas de trigo ou às tradicionais Pilsner;

- Cervejas leves acompanham comidas leves, enquanto cervejas mais fortes, intensas e encorpadas harmonizam melhor com comidas mais pesadas e gordurosas;

- Quanto mais escura a cerveja, mais escura deve ser a comida da harmonização. Cervejas escuras recebem essa cor dos maltes escuros, que normalmente têm um sabor mais tostado e algumas vezes mais adocicado, que combina bem com os mesmos sabores das comidas bem assadas ou grelhadas;

- Quanto mais picante for a comida, mais lupulada e amarga deve ser a cerveja. O lúpulo consegue cortar bem o efeito das pimentas, permitindo que você consiga sentir melhor os sabores tanto do prato quanto da cerveja; 

- Deixe que a região seja seu guia. Cervejas e comidas originárias da mesma região quase sempre funcionam bem juntas;

- A sequência em que são servidas as cervejas é fundamental. Se você planeja servir cervejas de diferentes estilos, prefira começar com as mais leves, tanto em sabores quanto em álcool, evoluindo para cervejas mais complexas e encorpadas no final.

- Vale para cervejas secas e doces. Comece pelas secas. O objetivo é que os sabores mais intensos não atrapalhem ou sobreponham os sabores mais leves. Também evita que as pessoas se sintam pesadas ou sonolentas logo no início da harmonização.

Leia mais:
Fato ou fake: no Dia Internacional da Cerveja, confira um tira-dúvidas sobre a bebida