Após publicação, na quarta-feira (5), do protocolo de funcionamento dos drive-ins em Belo Horizonte, a Secretaria Municipal de Política Urbana inlcuiu o fomato, na tarde de sexta (7), no sistema on-line para requisição de licenciamento.

De acordo com a secretária Maria Caldas, antes mesmo da publicação do protocolo, a ptefeitura já tinha recebido consultas de promotores de eventos, especialmente para uso de estacionamentos em shoppings centers. "Nada formal ainda foi apresentado, até porque não havia essa possibilidade na legislação. Acredito que rapidamente vão aparecer (interessados)", destaca.

Para a criação do protocolo, foi realizado, segundo ela, uma ampla pesquisa sobre experiências internacionais com o drive-in, em que os espectadores assistem a eventos culturais de dentro de seus carros.

Alternativa de exibição

Muito adotado nas décadas de 50 e 60, com a ampliação do acesso a veiculos, o modelo voltou a ser usado como uma forma alternativa para exibição de filmes e apresentação de shows por conta da pandemia de Covid-19, que requer distanciamento social para evitar a infecção pelo novo coronavírus.

"Montamos praticamente um dossiê, buscando as experiências que tiveram o melhor resultado e depois apresentando para discussão com as secretarias de Saúde e Vigilância Sanitária", disse Maria Caldas.

"Adaptações são necessárias, não só no caso do protocolo de drive-in, porque existem especificidades locais em função da cultura, do comportamento e do clima", explicou a secretária.

Diretrizes a serem seguidas

No documento sobre os drive-ins, as exigências não diferem muito do que tem sido feito em outras cidades, como Nova Lima, na região metropolitana, que já conta com três cinemas ao ar livre em atividade.

Um dos poucos diferenciais é em relação aos dias de funcionamento - apenas de sexta a domingo, no horário de 14h às 23h.

Os carros devem ficar numa distância de, no mínimo, de dois metros entre eles, seguindo as marcações horizontais feitas pela organização do evento. Motos, bicicletas, veículos conversíveis e vans estão proibidos. Cada veículo poderá ter, no máximo, quatro ocupantes.

Os organizadores devem estimular a venda antecipada de ingressos e alimentos, por meio de um site específico. Na chegada ao local, os produtos devem ser entregues devidamente higienizados.

Os espectadores só poderão sair dos veículos para irem ao banheiro. Ainda assim, terão que acionar o pisca-alerta do carro para avisar os funcionários. Na fila do banheiro, deve ser respeitado o distanciamento de dois metros.

Leia Mais:
Estacionamentos de shoppings devem receber os primeiros drive-ins de BH
Nova Lima recebe terceiro drive-in a partir de quinta-feira
Primeiro show ao vivo em Minas no formato drive-in é cancelado para 'ajustes operacionais'