O último dia 27 representou o encerramento das inscrições de proposta de projetos para os editais do Fundo Municipal de Cultura e do BH nas Telas 2020 e o começo de uma polêmica. Vários agentes culturais não conseguiram enviar seus projetos, alegando “falhas técnicas no sistema”, fato este desmentido pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH).

Uma carta assinada por 86 desses agentes que se sentiram prejudicados por não terem conseguido se inscrever foi enviada à Fundação Municipal de Cultura. Um dos nomes no documento é o de Denise Flores, da Voo Livre Produções; ela que passou mais de uma hora tentando enviar sua proposta, sem obter êxito.

"Eu já tive projetos aprovados, é um sistema que conheço. Estava num projeto novo, que ficou pronto nos últimos dias (antes do prazo final), por isso não consegui antecipar minha inscrição. Tenho internet de alta velocidade em casa. Já tinha meu perfil no Mapa Cultural registrado, eu não era uma pessoa que estava fazendo perfil pela primeira vez. As inscrições terminaram às 17h (do dia 27). Pouco antes das 16h, comecei a subir meu projeto, preenchi formulário, mas uma série de documentos não subia”, conta.

Ela prossegue: “O edital determina que um documento tem que ter no máximo 2 MB. Os meus estavam todos com o tamanho diminuído, corretos... Mesmo assim, eles não iam. Depois das 17h, começaram a subir os documentos. Quando foi 17h40, subiram todos, mas não tinha mais como enviar”.

Fundação Municipal de Cultura

Em contato com a reportagem, a Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da assessoria da Fundação Municipal de Cultura, enviou uma nota dizendo que foi feita uma análise do desempenho do Mapa Cultural BH “durante o período de inscrições, em que se constatou que a plataforma permaneceu disponível, sem qualquer interrupção no seu funcionamento, e recebeu anexos, dentro das especificações constantes nos editais, até o encerramento das inscrições”.

“Ao todo, foram recebidas 933 inscrições de projetos para os dois editais nesta edição, sendo 695 para o edital do Fundo e 238 para o BH nas Telas. Deste total, 569 projetos foram cadastrados somente nas últimas 24 horas, sendo 101 destes nos últimos 30 minutos de inscrições, o que demonstra que o Mapa Cultural BH permaneceu ativo, recebendo normalmente um grande número de projetos”, continua a nota. Mais de R$ 9 milhões serão injetados na cultura da capital mineira a partir dos dois editais para o setor.

Denise, por sua vez, assinala outro ponto. “De fato, o sistema mapa cultural não deve tido erro, mas é muito óbvio que a rede de internet da prefeitura não suportou os uploads. Esse foi nosso entendimento. E a prefeitura não reconhece isso como erro”, afirma ela, que diz que tudo poderia ter sido resolvido se a prefeitura tivesse aberto mais um dia para inscrições.

"Posso entrar com recurso agora, mas sei que é um recurso super fraco, sei que vou receber a resposta padrão, de que eles receberam todas as inscrições. Fora isso, não vou tomar outra providência. De maneira alguma vou entrar na Justiça, pois não quero embargar ou prejudicar outros inscritos. Porque aí perde o sentido da luta coletiva pela arte”, destaca.