Cinco mulheres quadrinistas retratam, por meio de sua arte, diferentes vieses de um mesmo tema: o amor. Esta é a proposta da série “Amor em Tempos Modernos”, em celebração à semana do Dia dos Namorados. Por isso, até sexta-feira, serão disponibilizadas histórias neste formato no Instagram e no Facebook da Casa Fiat de Cultura.

As autoras engajadas nesta empreitada são Carol Rossetti, Laura Athayde, Line Lemos, Lu Cafaggi e Rebeca Prado, que integraram a exposição “Inarredáveis! Mulheres Quadrinistas”, realizada pela instituição, em uma aliança com o Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ) em 2018. 

As tirinhas de agora foram feitas por meio de várias técnicas de aquarela, pintura digital, ilustração, lápis de cor, carvão e técnicas mista. Os temas trazem situações do contexto atual.

“Levar essa série de quadrinhos para dentro das casas das pessoas, por meio de uma linguagem que alcança todas as idades, é uma forma inédita de a Casa Fiat estar presente e continuar se relacionando com seu público, principalmente neste período em que precisamos muito da arte para nos inspirar. A arte nos traz novos olhares e nos permite ter uma atitude nova, um pensamento diferente sobre a vida e toda a emoção que provoca nas pessoas”, destaca a gestora cultural da Casa Fiat, Ana Vilela.

HQ

Uma das artistas envolvidas na mostra, Line Lemos desenhou uma história sobre amor próprio. “Uma forma de amor muito importante, principalmente com tanta pressão que sofremos para sermos felizes num relacionamento... Acredito que o amor próprio é uma das mais bonitas formas de amor, uma prática que desenvolvemos ao longo do tempo. Por isso, fiz uma analogia do cuidado de uma planta, como se esse cuidado fosse desabrochando aos poucos com a gente mesmo”, diz.

Outra quadrinista presente, Laura Athayde ressalta que sempre “procura trazer situações da vida real com um toque de otimismo e humor”. “Decidi falar sobre a pandemia, estar isolado neste momento, na quarentena, essas preocupações, insegurança do futuro, medo do contágio. E quando olhava para meu companheiro que divide a casa comigo há dois anos, vejo o quanto essa relação me ajuda a segurar essa barra. Espero que as pessoas que lerem vejam que não se trata só de amor romântico”, comenta.