Quando o line-up do MECAInhotim foi anunciado, não faltaram críticas à ausência de artistas locais no evento, que acontece amanhã e domingo em Brumadinho, com nomes como Caetano Veloso, Liniker, Mahmundi e Dônica. O MECAChallenge, concurso que selecionou uma banda independente para participar do festival, acabou garantindo um representante mineiro: o Senhor do Bonfim. Ainda desconhecida, a banda foi inscrita pela namorada de um dos integrantes e concorreu com cerca de 140 artistas do Brasil inteiro. “Seria uma pena se nenhuma banda daqui fosse para lá”, comenta Guilherme Gontijo, percussionista e letrista do Senhor do Bonfim.
 
Formado em 2013, o grupo, que mistura, entre outros ritmos, MPB e folk, não tinha, no início, nem a pretensão de se oficializar como banda. Começou com encontros entre Sara Bittencourt Marcucci (violoncelo e voz), Gabriel Machado (violão, baixo, gaita e voz) e Carlos Ferreira (percussão). “Eles faziam arranjos de músicas já existentes. Era um hobby”, recorda Guilherme, que logo se juntou aos amigos, assim como Felipe Jawa (vocal), Gustavo Álvares (letrista) e Sidarta Riani (violão e contrabaixo).

 
Todos são universitários, sendo Sara a única estudante de Música. Entre eles, há alunos de Engenharia, Arquitetura, Letras, Química e Artes Visuais. Agora, no MECAInhotim, terão uma chance real não só de ampliar o alcance de público, como aprender de perto com alguns dos seus ídolos. “Nunca imaginamos viver isso. Será uma honra nos apresentar no mesmo festival que eles”, diz Guilherme.

 

Acessibilidade

 

 

Senhor do Bonfim banda
Senhor do Bonfim – Além de tocar no Inhotim, a banda ganhou no concurso MECAChallenge R$ 5 mil e uma diária de gravação na produtora do A Voz do Brasil


O percussionista, porém, lamenta não poder tocar para o público que os elegeu no concurso. O motivo seria o valor do ingresso – também contestado nas redes sociais. “Nós mesmos, se não fôssemos nos apresentar, não teríamos condições de ir. O ingresso é caro”, avalia. 

Para resolver o impasse, a banda resolveu promover um show hoje, às 20h, no Soleá Tablao Flamenco, com entrada a R$ 10 (inteira). “Depois, faremos mais shows com o mesmo repertório que vamos tocar em Inhotim, que será todo autoral”, adianta.

A organização do MECAInhotim justificou que trata-se de um evento independente e multicultural, financiado com capital próprio. “A gente continua com o compromisso de ser acessível e entregar experiências de nível internacional para o nosso público. É uma matemática simples”. 

Ao todo, serão mais de 30 horas de programação, com mais de 15 palestrantes, 40 workshops e nove shows no palco principal, além de experiências gastronômicas, feiras, mostra de filmes e performances. Pela primeira vez, o Inhotim terá uma infraestrutura completa de camping.

Serviço: MECAInhotim – Inhotim, em Brumadinho. Amanhã, das 9h30 à 1h. Domingo, das 8 às 19h. Entre R$ 125 (meia) e R$ 490.