Não é preciso ter poderes adivinhatórios para prever os ganhadores do Oscar, que serão conhecidos neste domingo, no teatro Dolby, em Los Angeles. Uma boa dica é acompanhar as premiações dos sindicatos, que representam os diversos setores responsáveis pela realização de um filme nos Estados Unidos.

Praticamente quase todas as categorias tem o seu “Oscar” especial, nos meses que antecedem a grande festa. É o caso, por exemplo, da Costume Designer Guild (CDG), criada em 1953, reunindo os profissionais da área de figurino. Em sua 17ª edição, promovida no início da semana, os vencedores foram “O Grande Hotel Budapeste” e “Birdman”.

Durante cerimônia que contou com várias estrelas de Hollywood, como Harrison Ford e Naomi Watts, “Budapeste”, de Wes Anderson, ganhou na categoria de melhor direção de arte em filme de época, enquato “Birdman”, de Alejandro González Iñarritú, levou o troféu entre os concorrentes com história passada nos tempos atuais.

Os maquiadores e cabeleireiros estão reunidos na MUAHS - Make-Up Artists and Hair Stylists Guild, cuja premiação aconteceu no sábado passado. Mero coadjuvante na noite de entrega do Oscar, o setor dispõe de um laurel com nada menos que 19 categorias. Nas principais, mais uma vez “Budapeste” e “Birdman” dividiram as estatuetas.

A turma por trás dos efeitos especiais, cada vez mais presente nas superproduções, também tem o seu próprio prêmio, distribuído Visual Effects Society (VES). Na solenidade, que homenageou o diretor J. J. Abrams (de “Star Trek”), o grande vencedor entre os longas-metragem foi “Planeta dos Macacos: o Confronto”, que levou três troféus para casa.

A animação, que só ganhou uma categoria no Oscar em 2002, tem um prêmio de nome feminino para consagrar os melhores do ano. É o Annie, entregue pela International Animated Film Society (IAFS). Em sua 42ª edição, no último dia de janeiro, o vencedor foi “Como Treinar o Seu Dragão 2”, da Dreamworks.