As canções do quarteto de Liverpool já ganharam incontáveis releituras. “Se aventurar nesse campo tem um peso grande”, reconhece Túlio Mourão, para pontuar, em seguida. “É preciso fazer algo novo”. Pois bem, o pianista encarou o desafio e lançou, no final de 2014, o disco “Come Together – Túlio Mourão Play Beatles”, seu primeiro trabalho não autoral, ao longo de 12 álbuns. O resultado em show, ele apresenta esta noite, no Teatro de Câmara do Cine Brasil. 
 
“Algumas canções que estão no álbum – como ‘She’s Leaving Home’ e ‘Lady Madonna’ – tiveram força para fazer de mim um músico”, diz Túlio, que travou contanto com a música dos Beatles aos 13 anos. “Apesar de eu ter uma moldura nacionalista e estar ligado à bossa nova, ao conhecer Beatles, passei por cima disso”, afirma.
 
Os Fab Four deixaram de ser apenas um episódio da música jovem, na visão do artista de Divinópolis. “Suas canções conseguem transpôr os limites da etnia, estilo e faixa etária. São um patrimônio da humanidade”, analisa. 
 
O disco de Túlio Mourão foi produzido à base do financiamento coletivo (crowdfunding). O público apoiador participou do processo de várias formas: acesso às partituras, sugestão de canções, acompanhamento das gravações, dentre outras “recompensas”. “Esse formato é uma alternativa às leis de incentivo a cultura e ao patrocínio das grandes empresas. Além de reforçar a teia social”, considera Túlio. A canção de Lennon e McCartney, “Come Together”, empresta seu título ao CD não por acaso. “É uma metáfora clara desse processo de cooperação”, afirma.
 
Gravado em trio instrumental, ao lado dos baixistas Eneias Xavier, Pablo Souza e Wagner Faria, e dos bateristas Lincoln Cheib e Edvaldo Ilzo, o trabalho ainda conta com o pandeirista Túlio Araújo, em “Lady Madonna”. Esta faixa flagra a proposta de Túlio para o projeto. “Procurei imprimir uma dose de brasilidade nos arranjos”, conta ele, que escolheu canções que melhor se adaptaram ao piano. Um processo que durou um ano, entre experimentações de arranjos, gravação e finalização.
 
São dez faixas, com arranjos que mesclam jazz, pop, bossa nova e outros ritmos que compõem a vasta bagagem do pianista. “Não estou levando os Beatles para tocar samba. Mas trazendo uma ginga e uma criatividade para o jazz brasileiro”, explica.
 
O repertório do show é baseado no CD, mas Túlio pede licença aos garotos de Liverpool para executar “Moça de Fino Trato” e “Cristalino”, dentre outras músicas do jazz mineiro.
 
Lançamento do CD “Come Together – Túlio Mourão Play Beatles” no Cine Theatro Brasil Vallourec (av. Amazonas, 315). Nesta quinta-feira (8), às 20h. R$ 20 e R$ 10 (meia).