Lançar um olhar sobre a juventude, por meio da escola, espaço de convivência e atritos. Olhar que serve também para discutir as relações e os papéis na sociedade. É com esse universo, em todas as suas nuances, que o espectador vai se deparar em “Dente de Leão”, nova montagem do Espanca!, que celebra dez anos de atividades do grupo. A peça estreia nesta quinta-feira (11), às 20h, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB BH).

Em sua primeira incursão pela direção, Marcelo Castro – que já havia trabalhado como ator da trupe – ressalta a necessidade de refletir sobre nosso tempo. “A peça mostra a visão dos alunos, dos professores, das famílias e, de certa forma, até do teatro. Dentro desse universo escolar, procuramos abordar a sociedade. E também não deixa de ser um olhar sobre esses jovens, porque são eles que vão continuar a história a partir do que vamos deixar. A peça é conduzida através do olhar deles”, frisa.

O texto inédito de Assis Benevenuto – parceiro do Espanca! em “Amores Surdos” (2007) – trata, de forma geral, a questão da representação dos papéis sociais. “E também como a gente acaba rotulando as pessoas, circunscrevendo-as dentro de um papel. Mas as pessoas podem ser muito mais”, observa Marcelo, que se diz “tranquilo” com essa primeira direção.

“A gente sempre circulou no Espanca!. Entrando no trabalho do outro, influenciando nas decisões. Essas funções servem mais para nos organizar. De certa forma, o ator influencia na dramaturgia; o dramaturgo, na direção, e assim por diante”, assinala.

DISCURSO

Porém, para comemorar essa efeméride – dez anos de atuação ininterrupta nos palcos da vida –, o grupo, conforme Marcelo, precisava encontrar um texto que servisse de marcação de território mas, também, que apontasse novos rumos.

“Foi um desafio encontrar qual seria esse discurso que falasse bastante do grupo. A gente ficou um ano tentando encontrar qual seria essa peça que tem a ver com a linguagem do Espanca! e apontasse novos caminhos”, destaca o diretor, com atuação nos palcos desde 2001.

Marcelo acredita que, após essa montagem, o Espanca! entra em uma fase mais engajada politicamente. Até porque, a próxima peça a ser encenada pelo grupo, no ano que vem, “Real, Uma Revista Política”, terá essa conotação. “De certa forma, é uma continuação desse caminho, que começamos a trilhar com peças mais políticas, com abordagens e discussões sobre questões reais e da sociedade”, completa. A “Mostra Espanca! 10 Anos” continua até outubro no CCBB, incluindo, ainda, temporadas de “Amores Surdos” (de 24/9 a 6/10) e “O Líquido Tátil” (de 8 a 13/10).