Belo Horizonte é ponto de partida e de chegada do Som Imaginário. Não à toa, o grupo fecha a temporada 2014 com show gratuito, neste sábado (2), na Praça Floriano Peixoto. “Belo Horizonte é especial para a gente, foi onde começamos nossas carreiras. ‘Pra’ gente tem sempre grande importância”, ressalta Wagner Tiso, que retorna aos braços dos mineiros após um ano de hiato – em 2013, eles participaram da “Virada Cultural” da cidade.

Há outros bons motivos para comparecer ao show: Milton Nascimento (em torno do qual o grupo foi fundado na década de 1970) e Zé Rodrix (um dos integrantes da banda em sua primeira fase e morto em 2009) serão homenageados. As músicas “Feira Moderna” (Beto Guedes) e “Casa no Campo” (Zé Rodrix e Tavito), por exemplo, serão executadas para lembrar o genial Rodrix.

E tem mais. O tom do estilo musical será dado pelo LP “Matança do Porco”, derradeiro do grupo, lançado em 1973 – um som instrumental que funde jazz, rock progressivo, música erudita e MPB.

Química

Para Tiso, essa apresentação em espaço aberto, cria, de certa forma, maior empatia com o público. “Tocamos na Praça do Papa e foi uma maravilha. As pessoas se integram e participam mais do show; você se sente na mesma vibe”, enfatiza Tiso, que dividirá o palco na Praça Floriano Peixoto com seu piano e os músicos Robertinho Silva (bateria), Tavito (violão), Nivaldo Ornelas (saxofone e flauta), Luiz Alves (baixo) e Victor Biglione (guitarra) – que entrou em 2012, na volta do grupo, depois de um intervalo de quase 40 anos.

Nessa retomada de trabalho, que incluiu shows no Circo Voador (RJ), no Teatro Municipal (SP), além de várias cidades do interior paulista, o Som Imaginário atinge, além do público cativo, mais velho, outro mais jovem – seja para relembrar, seja para conhecer esse “momento mágico” do início da década de 70. “No Circo Voador, os jovens vibravam”, comenta Tiso.

Abertura

A abertura do show fica a cargo de Breno Mendonça Quinteto, que vai apresentar o músicas do CD de estreia, “Jazz Sambô”. O disco é parceria do saxofonista Breno Mendonça e do trompetista Wagner Souza, que fazem parte do quinteto com Samyr Erick (guitarra e violão), Bruno Vellozo (baixo acústico) e Gladston Vieira (bateria).

“BH Instrumental” – Neste sábado (2), às 19h, na Praça Floriano Peixoto, no Bairro Santa Efigênia. Entrada franca