RIO DE JANEIRO - Duas das chamadas "peças míticas" de Nelson Rodrigues são as atrações deste fim de semana do festival A Gosto de Nelson, que neste mês de agosto está levando ao público, a preços populares, toda a obra - 17 peças - do dramaturgo. Aberta no último dia 1º pela ministra da Cultura, Ana de Hollanda, a mostra está sendo apresentada nos teatros Dulcina e Glauce Rocha, no Rio, administrados pela Fundação Nacional de Arte (Funarte), responsável pela programação cultural que comemora o centenário de Nelson Rodrigues (1912-1980).

Encenada pelo grupo Panacéia Delirante, da Bahia, Dorotéia, em cartaz neste sábado (11) e domingo (12), às 19h, no Teatro Dulcina, conta a história de uma prostituta que largou a profissão depois da morte do filho e vai morar na casa das primas, três viúvas puritanas e feias, que não conseguem enxergar os homens e não dormem para não sonhar. Na peça, que estreou em 1950, os homens só aparecem nas falas das personagens femininas.

Nos mesmos dias e horário, o público pode assistir no Teatro Glauce Rocha a montagem do Núcleo Experimental, de São Paulo, de Senhora dos Afogados. Encenada pela primeira vez em 1947, a peça é uma trama cheia de mistérios, tendo como personagem principal Moema, que guarda um amor excessivo pelo pai e afoga no mar as irmãs mais novas, para não ter que dividir com elas a atenção paterna.

De acordo com o presidente da Funarte, Antonio Grassi, a mostra, além de comemorar o centenário de Nelson, tem como preocupação apresentar o universo do dramaturgo às novas gerações. A Funarte selecionou, por meio de edital, montagens de grupos e companhias de todo o Brasil.

“O desafio foi retratar Nelson não somente como autor, mas também como ser humano. O público é nosso convidado a mergulhar nesse universo e aplaudir a ousadia e a genialidade desse grande escritor”, disse Grassi, ator que iniciou sua carreira em O Beijo no Asfalto, uma das mais conhecidas peças de Nelson Rodrigues.

Os dois primeiros textos do dramaturgo, Vestido de Noiva e A Mulher sem Pecado, abriram o festival, nos dias 1 e 2 de agosto, mas a programação de A Gosto de Nelson não segue a ordem cronológica. Os quatro primeiros textos apresentados – Viúva, porém honesta e Anti-Nelson Rodrigues, além dos já citados – pertencem ao grupo das “peças psicológicas” do dramaturgo.

Nesta semana já foram encenadas, na quarta-feira (8) e na quinta (9), Álbum de Família e Anjo Negro. São textos que, a exemplo dos espetáculos deste fim de semana, integram o ciclo das “peças míticas” do autor.

A partir da próxima semana, começarão a ser apresentadas as “tragédias cariocas”, conjunto que abrange várias das peças mais conhecidas e encenadas de Nelson Rodrigues, como A Falecida, Perdoa por Me Traíres, Os Sete Gatinhos, Boca de Ouro, O Beijo no Asfalto, Bonitinha, mas Ordinária e Toda Nudez Será Castigada.

Cada uma das peças é apresentada em duas sessões, às quartas e quintas-feiras e aos sábados e domingos, com início sempre às 19h. Os ingressos custam R$ 5, a inteira, e R$ 2,50, a meia-entrada, para estudantes e maiores de 60 anos.