O Papel da Nutrição na Reabertura de Bares e Restaurante de BH

Opinião / 04/02/2021 - 06h00

Natália de Carvalho Teixeira

Desde o final de 2019 o mundo vem sendo assolado por uma pandemia que mudou a rotina de todos. O susto ao pensar que o isolamento duraria quarenta dias (devido ao termo ‘quarentena’) hoje deu lugar a incerteza de quanto tempo vamos precisar para retornar à normalidade. Quase um ano após o primeiro decreto da prefeitura de Belo Horizonte sobre a suspensão temporária do alvará de funcionamento de diversos estabelecimentos, ainda vivemos a alternância entre períodos de funcionamento e fechamento de muitos locais, inclusive bares e restaurantes.

Para estes estabelecimentos, a prefeitura determinou novos protocolos de funcionamento. Nelas são introduzidas algumas regras importantes, como uso de máscara e álcool por funcionários e clientes, distanciamento entre mesas e filas, higienização de bancos e cadeiras a cada uso, eliminação de cardápios físicos, preferência pelo pagamento por cartão em sistema de aproximação, entre outros.

Mas quando se trata dos itens de boas práticas na manipulação de alimentos, pouco mudou em relação às regras já estabelecidas pela vigilância sanitária por meio da RDC 216. A legislação brasileira é bastante completa e rigorosa em relação à manipulação segura de alimentos. Já tínhamos como padrão a higienização de embalagens primárias, a sanitização de alimentos a serem consumidos crus,o uso de uniforme exclusivo nas cozinhas, a recomendação de não falar desnecessariamente sobre o alimento, bem como a higienização constante das mãos com sabonete líquido e álcool, entre outros. Infelizmente, nem todos os estabelecimentos cumpriam estas regras, e talvez estejam enfrentando grandes dificuldades para se adaptar a este modelo. E a ausência de profissionais capacitados para coordenar ações de higiene na manipulação de alimentos nesses locais é um ponto chave para que eles consigam cumprir as novas (e também as antigas) exigências.

Nesse sentido, os Nutricionistas passam a ter um papel fundamental. Seja trabalhando ou prestando consultoria em bares e restaurantes, esses profissionais podem contribuir diretamente para a saúde da população orientando e treinando manipuladores de alimentos a respeito das ações necessárias para a segurança de clientes não só em relação ao novo coronavírus, mas também a outros agentes que podem estar presentes em alimentos cuja manipulação não obedeceu aos cuidados exigidos por lei. O profissional de Nutrição, portanto, atua de maneira completa na relação entre alimentação e saúde. Além de buscar o equilíbrio na ingestão de nutrientes para a prevenção e tratamento de doenças, ele também atua no bem estar de sua clientela na medida em que trabalha diretamente para oferecer um alimento seguro, livre de contaminantes que possam transmitir doenças e gerar danos à nossa saúde.

*Doutora em Ciência de Alimentos, Nutricionista, Coordenadora do Curso de Nutrição da Faculdade Kennedy 


 

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários