Tá na hora de sair de casa? Não!

Opinião / 07/04/2020 - 06h00

Marcela Trópia *

o último domingo (5), a internet se inundou de fotos de pessoas nas praças de Belo Horizonte. Com as várias medidas adotadas pelos governos estaduais e pelo Governo Federal que compõem um regime de quarentena, há uma evidente contenção dos casos de Covid-19 e a ameaça de contágio pode parecer menor. 

Temos um paradoxo: quanto mais a quarentena funciona, mais parece que ‘está tudo bem’ não cumpri-la. O senso de urgência gerado por parentes e amigos próximos contaminados deixa de ser reforçado dia após dia. E é justamente essa postura de relaxamento que pode atrapalhar o combate. 

A sensação da redução do risco não é verdadeira. Ainda não atingimos o pico do contágio no nosso país, fase em que é muito importante ficar em casa. O que observei esse final de semana pelas redes sociais foi desesperador. 

Pessoas se reunindo para assistirem às lives feitas por artistas nas redes sociais. Outros saíram para praticar exercício físico ou simplesmente passear. Não está na hora de fazer isso, mesmo que você more sozinho, tenha tomado todas as medidas de precaução ou que tope correr o risco de contágio. Sabe por quê? O impacto coletivo de ir às ruas é imensurável. 

Nunca antes o valor da liberdade com responsabilidade fez tanto sentido. Os impactos de um indivíduo que decide furar a quarentena não serão somente carregados por ele. Pessoas que estão reclusas há 20 dias ou até mais - muitas que pararam de trabalhar e já estão ficando sem dinheiro - se frustram ao ver tantos outros relativizando o isolamento social. Alguns desistem de fazer a sua parte diante do mau exemplo. 

A quarentena só funciona se todos colaborarem. É uma conta cara, mas que pesa menos se for dividida. Se o plano for abandonado agora, o risco de colapso do sistema de saúde permanece e a quarentena de nada terá adiantado. Quem fica em casa permite que todos os demais brasileiros que trabalham na área da saúde e nas funções essenciais sejam expostos a menos risco. 

Não adianta bater palma na janela para os profissionais que têm dado a vida para nos salvar e ir beber com os amigos no final de semana. Talvez se o recado do Ministro da Saúde, Henrique Mandetta, que fez um pronunciamento pedindo para que as pessoas ficassem em casa durante uma dessas lives não tenha sido claro, a incoerência de quem fura a quarentena certamente foi. 

Se você decidiu sair de casa nos últimos dias e não está tão preocupado assim com o coronavírus, repense e não relativize o risco. Há várias pessoas em casa segurando a barra que é esse isolamento social e elas merecem respeito. 

*Especialista em Políticas Públicas 

 

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Comentários