O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) ajuizou nesta quarta-feira (19) uma ação civil pública para que o governo de Minas seja obrigado a garantir a matrícula de estudantes em todo o Estado. A medida foi tomada um dia depois de a Prefeitura de Belo Horizonte pedir socorro ao órgão devido aos problemas no sistema estadual.

Dezoito dias após o início do ano letivo em Minas, pais, mães e responsáveis por crianças e adolescentes ainda enfrentam dificuldades para matricular os menores em escolas. As prefeituras e os pais alegam que os problemas se devem à informatização feita pela Secretaria de Estado de Educação (SEE).

O MPMG diz que, além da Prefeitura de Belo Horizonte, centenas de pais e mães, conselheiros tutelares, sindicatos de professores e a União de Secretários Municipais de Educação de Minas (Undime) procuraram o órgão em busca de ajuda.

Além da divulgação do mapa de vagas e de candidatos pelo governo mineiro, a ação pede "a adoção de providências para garantir que os alunos que estejam fora da escola em razão das dificuldades enfrentadas para efetivar a matrícula sejam identificados e matriculados", diz o MPMG.

Só em Belo Horizonte, cerca de 8 mil alunos deixaram de ser atendidos em escolas municipais. Segundo a Secretaria Municipal de Educação 2.715 crianças continuam sem vaga. "Essas famílias pertencem à jurisdição de escolas estaduais onde não há escolas da rede de BH para atendê-las", diz a prefeitura.

O problema se repete em cidades do interior. A promotora de justiça de Defesa da Educação da capital, Nívia Mônica Silva diz que a situação contribui para evasão escolar, ao gerar exclusão de jovens que até hoje não conseguiram ser matriculados.

"Os maiores prejudicados foram os alunos não contemplados com a vaga em escola na rede estadual e os pais, que foram levados a uma peregrinação pelas escolas, pernoitando em filas, para garantir o acesso dos filhos ao direito à educação", afirmou a promotora.

A Secretaria de Estado de Educação diz que técnicos da secretaria têm mantido constante contato com as prefeituras para a resolução de problemas nas matrículas. A pasta reforçou também não ter sido sinalizada pela prefeitura de Belo Horizonte nesta semana sobre problemas.

"A despeito disso e considerando a urgência do caso em questão, a Secretaria de Estado de Educação fez imediato contato com a PBH para apoio em solução coordenada sobre o tema", finalizou a nota.

Leia Mais:
Mães e pais dormem em fila para conseguir matricular filhos em escola de Belo Horizonte
Comissão da Assembleia aprova emenda que estende reajustes da segurança para outras 13 categorias
Professor que vendia ilegalmente serviços do laboratório da UFV é condenado a 79 anos de prisão