Cidades de cinco regiões de Minas devem intensificar a imunização contra a febre amarela. As localidades não atingiram a cobertura vacinal mínima, de 95%. O alerta, da própria Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), chega após mortes de macacos, vítimas da doença.

Apesar do apelo, a pasta não informou quais municípios precisam reforçar as ações nem quantos moradores estão com a dose atrasada. O comunicado vale para as regionais de saúde de Pedra Azul – que vacinou 90,73% do público-alvo –, Ituiutaba (94,14%), Leopoldina (92,33%), Ubá (92,73%) e Varginha (93,08%).

O cenário também abrange Montes Claros, no Norte de Minas, e a Gerência Regional de Saúde (GRS) de Januária, que registraram primatas mortos em agosto. As análises estão sendo feitas pela Fundação Ezequiel Dias (Funed).Segundo a SES, as ações de imunização devem envolver o município afetado e fronteiras. A medida já está em prática em algumas cidades – caso de Claros dos Poções, Juramento e Mirabela – como explica a coordenadora de Vigilância em Saúde da regional de Montes Claros, Agna Soares da Silva Menezes. 

De acordo com ela, é preciso manter o funcionamento de pontos fixos para a vacinação, além da realização de uma busca ativa em comunidades rurais.

Pandemia e baixa procura

Diante da pandemia de Covid-19 e com atenções voltadas para a imunização contra o coronavírus, a cobertura para as demais doenças preocupa em Minas. Em recente entrevista ao Hoje em Dia, a coordenadora do Programa Estadual de Imunização da SES, Josianne Dias Gusmão, alertou para a importância da imunização contra a febre amarela. 

“Em 2017 e 2018, com as baixas coberturas vacinais, houve retorno de casos da febre amarela. Então, é importante que cada pessoa se dirija aos postos e mantenha o cartão de vacina em dia, já que elas têm responsabilidade em relação a isso”. A vacina está disponível em qualquer posto de saúde. Devem ser imunizados desde crianças de 9 meses a adultos de 59. 

Pico

Há três anos, Minas ficou em alerta máximo contra a febre amarela. Foram mais de[/TEXTO] 80 mortes entre julho de 2017 e junho de 2018. A letalidade da doença beirava os 40% no período.

BH e Nova Lima e Brumadinho, na região metropolitana, eram algumas das cidades com mais registros de óbitos. Os casos também foram elevados em Juiz de Fora, na Zona da Mata, e Mariana, na região Central.

Na época, o Hoje em Dia mostrou que os pacientes com febre amarela tinham quase mil vezes mais chances de morrer do que as pessoas com dengue, chikungunya ou zika.


* Com informações do jornal O Norte

Leia mais:
Número de mortes por Covid em Minas Gerais fica abaixo da casa de dois dígitos, segundo boletim
Pesquisa de universidades mineiras revela piora do estilo de vida do brasileiro na pandemia