A Polícia Civil confirmou, nesta sexta-feira (26), a conclusão do inquérito que investigava a morte de uma grávida de 23 anos, assassinada em João Pinheiro, Noroeste de Minas, no dia 15 deste mês. A suspeita, uma mulher de 40 anos, confessou o crime e disse que o cometeu porque queria roubar o bebê da jovem.

A investigação, encerrada nessa quinta-feira (25), apontou que a mulher é a culpada pelo assassinato e que ela agiu sozinha. O marido, de 57 anos, foi preso preventivamente na ocasião, mas o inquérito concluiu que ele também foi enganado pela esposa.

De acordo com a Polícia Civil, a mulher será indiciada por três crimes: dar parto alheio como próprio, subtração de incapaz e homicídio qualificado por motivo fútil, meio cruel, traição e mediante emboscada para ocultação de outro crime. A soma das penas pode chegar a 38 anos de reclusão.

O inquérito confirmou também a versão de que a vítima ainda estava viva quando teve a barriga aberta com uma faca para que o bebê fosse retirado. O laudo da autópsia do Instituto Médico Legal (IML) trouxe como causa da morte "anemia hemorrágica interna e externa" e descartou a possibilidade de asfixia, mostrando que o arame encontrado em seu pescoço só foi usado para prendê-la à árvore.

Confissão

O crime aconteceu no dia 15 de outubro e chocou a pequena cidade de João Pinheiro. A suspeita confessou à Polícia Civil, na noite do dia seguinte, ter matado a mulher grávida. Segundo ela, a vítima foi dopada com álcool, amarrada em um tronco e, enquanto ainda estava viva, teve o bebê retirado de seu útero com uma faca de cozinha. A jovem estava grávida de 8 meses e esperava uma menina.

O corpo foi encontrado após a suspeita aparecer com o bebê no hospital para que ele fosse tratado de uma ferida na cabeça. No local, ela afirmou aos médicos que era a mãe da criança, mas os profissionais desconfiaram de seu estado de saúde, que não condizia com o de uma gestante. Ao pedirem exames à mulher, ela se recusou e acabou dizendo que a menina era de uma amiga, que ela não sabia onde estava.

Premeditação

Postagens encontradas nas redes sociais da suspeita indicam que ela pode ter premeditado o assassinato. Ela postou para várias fotos como  gestante, comemorando a gravidez e indicando, ainda, o nome que daria à criança: Emanuelly Vitória.

A primeira publicação simulando a gravidez da suspeita é do dia 8 de agosto e traz uma foto dela abraçada pelo marido com uma legenda comemorativa: "Papai mais feliz do mundo". Outra imagem, postada no mesmo dia, traz o marido beijando a barriga da suspeita. "E um sonho que se tornou realidade papai mais feliz do mundo te amo e te amarei eternamente vc e a nene" (sic).  

Entre os comentários, usuários indignados enviaram mensagens com insultos e pedindo justiça. Praticamente todas as postagens da mulher foram comentadas. 

Leia mais:
Suspeita de matar jovem para roubar bebê postava fotos simulando gravidez e já tinha nome da criança
Grávida estava viva quando teve bebê arrancado da barriga, confessa suspeita
Grávida é enforcada com arame em tronco e tem bebê arrancado com faca em Minas