A Polícia Militar realizou na manhã deste domingo (18) uma ação de despejo contra famílias que ocupavam uma área de propriedade da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), na região do Barreiro.

De acordo com o Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), a ocupação, de nome "Temer Jamais", teve início há três dias e era formada por cerca de 300 famílias.

A prefeitura afirma que o terreno é área de preservação permanente. O mesmo terreno já havia sido ocupado, em 2012, por movimentos de lutas por moradia, com a ocupação Eliana Silva 1, que também foi despejada.

O MLB questiona a ausência de termo de reintegração de posse na ação, que exige regras rígidas para acontecer. A polícia, no entanto, teria utilizado de flagrante para realizar o despejo, com a ação não se caracterizando como reintegração de posse, mas reação à tentativa de invasão do terreno do município.

Leonardo Péricles, da coordenação nacional do MLB, critica a ação da PM. "A polícia barbarizou. Jogou bomba de gás lacrimogênio, bala de borracha, inclusive em mulheres, crianças, idosos e pessoas com problemas respiratórios", disse.

A PM reconhece que foram usadas balas de borracha e afirma que os policiais foram recebidos a pedradas, sendo que dois homens da corporação se feriram. Pelo menos um homem, não identificado pela polícia, foi preso.

De acordo com Leonardo Péricles, vários integrantes da ocupação estão feridos e foram encaminhados para hospitais. O MLB, no entanto, ainda não tinha informações sobre a quantidade de feridos, no início da tarde.

Péricles também relaciona o conflito às limitações da politica habitacional do governo federal. "O presidente Michel Temer acabou com o 'Minha Casa, Minha Vida'. Sem o programa, uma família de baixa renda não tem como conseguir moradia. É um absurdo o que está acontecendo", critica.

Assista a vídeo da ação: