Centenas de pessoas se reúnem na tarde desta sexta-feira (5) na Praça Minas Gerais, em Mariana, região Central do Estado, em manifesto aos 6 anos do rompimento da barragem da Samarco na cidade.

Aos gritos de “não vamos recuar”, o grupo, liderado pelo Movimento dos Atingidos por Barragem, denuncia impunidade e pede justiça pelos danos causados. No caso dos moradores, desde a tragédia, as duas comunidades situadas na zona rural da cidade que foram devastadas - Bento Rodrigues e Paracatu - ainda estão sendo reconstruídas e não têm prazo para conclusão das obras.

​Na manhã desta sexta, trabalhadores sem-terra protestaram em frente à sede da Samarco, também em Mariana. Segundo o Movimento Sem Terra (MST), o manifesto é contra a impunidade na investigação do rompimento da barragem.

Leia também:
Seis anos após tragédia de Mariana, atingidos seguem sem data para receber casas
Trabalhadores sem-terra protestam em frente à mineradora Samarco, em Mariana