Para acompanhar transportadores de combustível autônomos, a Polícia Militar de Minas criou uma “central de escoltas”. Na madrugada desta sexta-feira (22), também foi iniciado um gabinete de crise para monitorar a situação da greve no Estado. 

De acordo com a PM, desde essa quinta-feira (21) está sendo feita a escolta das carretas até pontos seguros. O Batalhão de Operações Especiais (BOPE) atua no trajeto para os aeroportos. 

Segundo o diretor de operações da polícia, coronel Flávio Godinho, esses motoristas são acompanhados desde as refinarias, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), até o ponto de entrega das cargas.

Fazem parte do gabinete as Polícias Rodoviárias Federal e Estadual, além do Aeroporto de Confins e a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

Mais cedo, o coronel esteve no Aeroporto Internacional de BH para monitorar a situação no local. “A escolta levou para a refinaria cinco caminhões, que irão voltar para o aeroporto daqui a pouco”, afirmou ao Hoje em Dia.

O diretor afirmou, ainda, que a Polícia Militar está fazendo uma ação de monitoramento nos postos de combustíveis para evitar qualquer tipo de confusão.

Nas redes sociais, o governador Romeu Zema (Novo) garantiu que outras soluções estão sendo viabilizadas para que não haja desabastecimento em todo o território. “No que depender do Governo de Minas, o abastecimento vai prosseguir”, publicou.

Leia mais:

Espera na fila dos postos de gasolina de BH passa de uma hora, sem garantia de abastecimento
Postos de BH amanhecem com filas e sem gasolina; sindicato pede para evitar corrida às bombas
Sindtanque diz que greve continua em Minas por tempo indeterminado; categoria quer negociar ICMS