Após o Ministério da Saúde enviar um nota técnica aos municípios, nesta quinta-feira (16), recomendando que adolescentes de 12 a 17 anos, sem comorbidades, não sejam imunizados contra a Covid-19, secretários de saúde estaduais e municipais enviaram um ofício à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), cobrando um posicionamento do órgão sobre a autorização para o uso do imunizante da Pfizer em jovens.  

O documento, assinado pelos presidentes dos conselhos nacionais das Secretarias de Saúde estaduais (Conass) e municipais (Conasems), solicita um “imediato posicionamento”, já que diversos municípios já iniciaram a vacinação do público. O ofício ainda considera um possível efeito adverso grave relacionado ao imunizante da Pfizer em um adolescente no Estado de São Paulo.

Ainda assim, os conselhos entendem que a “vacinação dos adolescentes cumpre importante papel na estratégia de controle da pandemia no Brasil, que em cenário anunciado pelo Ministério da Saúde de ampla disponibilidade de doses no PNI deve, conforme autorização da Anvisa, avançar na antecipação da D2 para oito semanas, concluir a vacinação da população adulta e avançar na imunização de adolescentes com e sem comorbidades”, conclui o documento endereçado ao diretor-presidente da agência, Antonio Barra Torres.

Leia mais:
Após recomendação, BH decide não vacinar adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidade nesse momento
'Pegou todo mundo de surpresa, um absurdo', diz médico sobre suspensão da vacinação de adolescentes
Mais da metade das cidades de Minas já vacinaram os adultos; veja lista