A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, instalada na Câmara Municipal de Belo Horizonte, deve ser prorrogada por mais 60 dias. A decisão foi informada durante a reunião desta quinta-feira (26).

Segundo o  presidente da CPI, vereador Professor Juliano Lopes (Agir), uma reunião marcada para a tarde de sexta (27) definirá ou não a prorrogação. Iniciada em 10 de maio, a CPI tem como objetivo fiscalizar a regularidade das contratações e gastos realizados pela prefeitura durante o período de calamidade pública, “dada a falta de informações precisas e transparentes sobre a destinação dos recursos originados do governo federal e estadual”.

A partir da data de formação, a comissão tem prazo de 120 dias para produzir relatório final e concluir os trabalhos, podendo pedir a prorrogação.

Reunião desta quinta

Também nesta quinta, a CPI ouviu a atual secretária municipal de Assuntos Institucionais e Comunicação Social e ex-chefe de gabinete da PBH, Adriana Branco

Durante a oitiva, Adriana informou aos vereadores sobre verbas publicitárias utilizadas pela PBH em campanhas durante a pandemia e disse que os números para estes trabalhos são os mesmos desde 2015, afirmando que a atual gestão “nunca utilizou os valores totais destes contratos”. 

A secretária também apresentou valores durante a comissão e informou que a PBH gastou, entre março de 2020 a agosto de 2021, R$ 55,9 milhões com peças publicitárias com tema específico para Covid-19. Ainda segundo Adriana Branco, a verba total gasta pela administração em publicidade foi de R$ 73 milhões. 

Atualmente, a PBH trabalha com três agências distintas de publicidade licitadas em edital realizado em 2019.

Leia mais:
CPI da Covid-19 ouve a ex-chefe de gabinete de Kalil nesta quinta-feira
CPI da BHTrans questiona gestão de recursos de empresa e defende fim de isenção fiscal
Senado rejeita pedido de impeachment contra ministro do STF