Um casal suspeito de manter um estabelecimento que promovia exploração sexual foi preso em flagrante na quarta-feira (18) na região de Venda Nova, em Belo Horizonte. Na operação, um caderno com anotações e uma máquina de cartão foram apreendidos.

As detenções ocorreram após a Delegacia Especializada de Investigação à Violência Sexual da capital receber uma denúncia anônima.

Segundo a Polícia Civil, o homem, de 30 anos, tem mais de 15 registros criminais e já foi condenado pelo mesmo delito. Ele cumpriu pena de quatro anos em regime fechado e estava em prisão domiciliar.

Ainda conforme a corporação, a mulher, de 18, responderá de acordo com o artigo 229 do Código Penal, que prevê a pena de reclusão de dois a cinco anos e multa para quem mantém estabelecimento em que ocorra exploração sexual.

O crime se enquadra como rufianismo, que é  o ato de tirar proveito da prostituição alheia, participando diretamente de seus lucros ou fazendo-se sustentar por quem excerça. 

Leia mais:

Defesa Civil emite alerta para baixa umidade do ar em BH; veja recomendações
PBH acaba com restrição de horário no funcionamento do comércio de rua e de shoppings
Cantor Sérgio Reis e deputado Otoni de Paula são alvos de operação da PF; entenda