Preços de frutas, legumes e verduras mais impactados pela onda de frio intenso devem se manter elevados pelos próximos quatro meses em Minas. As causas são multifatoriais, mas deve-se destacar as geadas registradas no último mês no Sul do território mineiro e em outros estados, como São Paulo e Paraná. A análise é da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Sistema Faemg).

“A tendência é que os preços de alguns hortifrutis se mantenham elevados pelos próximos três, quatro meses, no mínimo”, explicou Caio Coimbra, analista da Gerência Técnica da Faemg. Segundo ele, diversos motivos explicam o aumento de alguns itens de horticultura e fruticultura nesta época do ano. Entre eles, está um ponto comportamental: o consumidor reduz, por exemplo, a compra de alface e tomate no inverno, e prioriza opções como mandioca e milho nesse período.

Assim, explica Coimbra, a tendência seria de que os preços do tomate caíssem, já que a procura está menor. No entanto, a análise traz outras questões que mudam tal raciocínio. “O caminho natural seria de queda no preço, com a substituição de alimentos do ponto de vista comportamental, mas em julho houve alta no tomate. Os motivos são os problemas climáticos, o frio intenso e as geadas, que fizeram com que o ciclo de produção se alargasse e houvesse menos entrega”, completou o especialista. 

Com menos oferta, portanto, o preço sobe. Em agronomia, o ciclo de produção, ou seja, a quantidade de tempo necessária para um alimento ficar pronto para consumo, pode ser alongado por vários fatores, como o clima. A alface, por exemplo, que demoraria 40 dias para estar disponível no mercado, em temperatura amena, precisará de 60 dias para amadurecer sob o frio intenso. Assim, se demora mais para chegar aos consumidor, pode haver escassez, o que faz o valor subir.

E é fato que Minas vivencia uma forte onda de baixas temperaturas. Levantamento do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) em Belo Horizonte mostrou que 12 cidades mineiras tiveram pelo menos uma ocorrência de geada nos últimos dois meses. São eles: Florestal, na Região Metropolitana de BH; Oliveira e Bambuí, no Centro-Oeste; Patrocínio, no Alto Paranaíba; Conceição das Alagoas e Uberaba, no Triângulo; e Caldas, Maria da Fé, Monte Verde, Passos, Passa Quatro e Varginha, no Sul de Minas.

De acordo com o analista da Gerência Técnica da Faemg, o congelamento dos vegetais, obviamente, prejudica a produção no Estado, o que contribui para o aumento de preços. No entanto, o causador preponderantre da alta são as geadas, ainda piores, registradas em estados como São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul: com a produção prejudicada, eles precisam comprar de Minas, causando falta de hortifruti por aqui e, portanto, aumento do valor.

“Estados como Paraná e São Paulo sofreram ainda mais com as geadas do que Minas. O que acontece? Eles procuram mais produtos mineiros para serem abastecidos. A oferta já havia reduzido por aqui, em parte pelo ciclo alongado e pela geada, e a demanda aumentou devido aos mesmos sistemas congelantes registrados em outros territórios. O resultado é o aumento de preços a partir desses três fatores, sendo a geada o principal deles”, explicou Coimbra.

Sacolões em alta

Em Belo Horizonte, o preço médio de hortifrutis nos sacolões aumentou até 71% entre abril e julho deste ano, segundo pesquisa do site Mercado Mineiro feita em 17 estabelecimentos da cidade, entre os dias 24 e 26 do mês passado. Conforme o instituto, o maior aumento foi do quiabo, que passou de R$ 6,06 em abril para R$ 10,38. Veja mais aumentos:

  • Tomate (quilo): subiu de R$ 4,16 em abril para R$ 5,22 em julho - aumento de 25,51%;
  • Repolho (quilo): subiu de R$ 2,60 para R$ 3,19 - aumento de 22,76%;
  • Jiló (quilo): subiu de R$ 4,05 para R$ 5,52 - aumento de 36%;
  • Abóbora (quilo): subiu de R$ 2,27 para R$ 2,65 - aumento de 17%;
  • Chuchu (quilo): subiu de R$ 2,13 para R$ 2,43 - aumento de 13,95%;
  • Maçã (quilo): subiu de R$ 5,81 para R$ 6,28 - aumento de 8,10%.

Variações entre lojas

Também foram encontradas grandes variações de preços entre lojas, o que mostra a necessidade do consumidor em pesquisar por ofertas entre concorrentes. Conforme o Mercado Mineiro, as variações podem ser explicadas pela qualidade do produto e pela localização dos estabelecimentos. Veja as diferenças de preço mais significativas:

  • Abacaxi (unidade): de R$ 1,99 até R$ 8,99 - variação de 351%;
  • Mamão Havaí (quilo): de R$ 1,98 até R$ 7,98 - variação de 303%;
  • Quiabo (quilo): pode custar de R$ 4,98 até R$ 19,80 - variação de 297%;
  • Chuchu (quilo): pode custar de R$ 1,48 até R$ 4,99 - variação de 237%;
  • Jiló (quilo): pode custar de R$ 3,98 até R$ 8,99 - variação de 126%;
  • Maçã (quilo): de R$ 3,98 até R$ 8,99 - variação de 126%;
  • Batata Inglesa (quilo): pode custar de R$ 2,98 até R$ 4,99 - variação de 101%;
  • Laranja Pera Rio (quilo): de R$ 1,98 até R$ 3,99 - variação de 101%;
  • Mexerica Pokan (quilo): de R$ 1,98 até R$ 3,99 - variação de 101%;
  • Tomate (quilo): pode custar de R$ 3,99 até R$ 7,99 - variação de 100%;
  • Banana prata (quilo): de R$ 2,49 até R$ 4,98 - variação de 100%.

Mais baratos

Por fim, alguns itens tiveram queda no preço médio entre os meses de abril e julho, ainda conforme o Mercado Mineiro, são:

  • Cebola branca: caiu de R$ 5,22 para R$ 3,87 - redução de 25,90%
  • Banana Prata (quilo): caiu de R$ 4,40 para R$ 3,30 - redução de 25%;
  • Mexerica Pokan: caiu de R$ 4,04 para R$ 3,10 - queda de 23%;
  • Batata Inglesa: caiu de R$ 4,55 para R$ 3,78 - redução de 17%;
  • Mamão Havaí (quilo): caiu de R$ 5,22 para R$ 4,39 - redução de 16%;
  • Beterraba: caiu de R$ 4,28 para R$ 3,69 - redução de 13,74%.

De acordo com o administrador e economista Feliciano Abreu, responsável pelos sites Mercado Mineiro e comOferta.com, apesar das subidas de preço, o consumidor deve ficar atento a dicas que podem ajudar na economia na compra de hortifruti.

“A geada e outros fatores vão afetar o preço de alguns itens, mas não todos. É necessário ter em mente que há os produtos de safra e de entressafra. O consumidor tem que aproveitar os produtos de safra, que são mais baratos", explicou. Outras orientações incluem comprar somente a quantidade necessária para o consumo e ficar de olho em ofertas, incluindo os "dias da feira" dos grandes supermercados.

Leia mais:
Estudo diz que CoronaVac eleva resposta em pacientes imunossuprimidos
Kalil visita centro de pesquisa da vacina SpiNTec da UFMG na quinta-feira (5)
Veja 9 dicas para presentear no Dia dos Pais sem desequilibrar as finanças