Seguindo o cronograma de imunização, a Prefeitura de Belo Horizonte aplica a segunda dose da vacina contra Covid-19, nesta segunda-feira (2), a pessoas de 55 e 56 anos com comorbidades, além de gestantes e puérperas de 18 ou mais, sem comorbidades.

Na terça, serão contemplados os públicos de 53 e 54 anos (segunda dose, com comorbidades). No dia seguinte, 50 a 52 anos (segunda dose, com comorbidades) e homens de 35 anos, completos até 31 de agosto (primeira dose).

Na quinta-feira, será a vez dos moradores de 48 e 49 anos (segunda dose, com comorbidades) e mulheres até 35 anos, completos até 31 de agosto (primeira dose).

Na sexta, serão imunizadas, com a segunda dose, as pessoas de 42 a 47 anos com comorbidades. Já no sábado, a vacinação contemplará o público de 34 a 41 anos, com comorbidades, também para a última aplicação.

Clique aqui para consultar os locais de vacinação.

O que levar

Para tomar a segunda dose, é indispensável levar o cartão de vacinação, além de documento de identidade e CPF. O horário de funcionamento dos postos fixos e extras é das 8h às 17h, enquanto os drive-thru atendem de 8h às 16h30. Nos sábados, a abertura acontece de 7h30 às 14h e de 8h às 14h, respectivamente.

Vacinação noturna

A população da capital terá também, a partir desta segunda, a opção de se imunizar no período noturno. Os pontos extras da UFMG Campus Saúde e da Faculdade Pitágoras funcionarão até as 20h. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a ampliação de horário em outros locais poderá ocorrer gradativamente de acordo com a adesão. Além do atendimento à noite, o ponto da Faculdade Pitágoras funcionará durante 12 horas.

Endereços e horários:

UFMG Campus Saúde (Escola de Enfermagem): avenida Professor Alfredo Balena, 190, Santa Efigênia (12h às 20h)     
Faculdade Pitágoras: rua dos Timbiras, 1.375, Funcionários (8h às 20h)

Leia mais:
Belo Horizonte terá vacinação contra Covid-19 no período noturno; veja locais e horários
Anvisa recebe pedido para autorização de estudo da vacina da UFMG em humanos
Covid-19: Em 24 horas, Brasil registra 910 mortes