A Justiça Eleitoral de Ibirité, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, cassou a chapa do prefeito, William Parreira (Avante), e do vice, Paulo Telles da Silva, em primeira instância, por supostos atos de abuso de poder político e econômico. Parreira declarou que recorrerá da determinação.

A decisão é da juíza Daniela Cunha Pereira, da 351ª Zona Eleitoral da cidade, e foi deliberada na última sexta-feira (16). Para sustentar a medida, a magistrada apontou diversos argumentos, iniciando pelas supostas doações financeiras feitas por secretários municipais em favor da campanha da chapa, que configurariam captação ilícita de recursos, abuso de poder econômico, corrupção e fraude.

Além disso, há a suspeita de utilização eleitoreira de um jornal da cidade,  uso de publicidade institucional em período vedado, criação de linha de ônibus com os números da campanha eleitoral (7070) e distribuição de cestas básicas e kits escolares para captar votos.

De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG), a determinação do juízo de Ibirité deverá ser publicada ainda nesta semana no Diário da Justiça Eletrônico (DJE). Com a publicação, estará aberto um prazo de três dias para que a defesa dos gestores interponha recurso ao TRE-MG. O prefeito e vice-prefeito permanecem nos cargos. Em nota, o tribunal informou que a decisão de afastá-los dos cargos não será executada de imediato". 

Também em nota, a assessoria do prefeito William Parreira (Avante) informou que o chefe do Executivo "respeita a decisão da 351ª Zona Eleitoral de Ibirité, porém irá recorrer ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE)".

Leia mais:
Alta complexidade: hospital do interior de Minas realiza 1ª cirurgia de aneurisma por microscopia
Com ampliação da vacinação contra gripe para toda população de BH, saiba onde ir e quais os horários
Anvisa autoriza estudo clínico com 3ª dose da vacina AstraZeneca