Um consultório médico em Formiga, na zona Centro-Oeste de Minas, foi alvo de uma operação da Polícia Civil na manhã desta sexta-feira (9), suspeito de vender atestados de comorbidades para a imunização contra a Covid-19. A PC apreendeu documentos referentes aos atendimentos médicos e um celular. 

O levantamento da polícia, feito após uma denúncia anônima, averiguou que muitas pessoas entravam e saiam rapidamente do consultório, num tempo insuficiente para realizar uma consulta. Segundo o delegado Danilo Basílio, a equipe policial entrevistou algumas dessas pessoas que saíam do local com um documento assinado pelo médico. Alguns dos entrevistados admitiram ter pago R$50 para receber o atestado. Uma delas, inclusive, revelou ter entregue à secretária apenas um resultado de exame do ano de 2018, onde constava que ela possuía distúrbio respiratório leve, contudo, lhe foi fornecido o formulário com pneumopatias crônicas graves”, revela. 

O delegado regional Tiago Ludwig afirmou que, caso os fatos sejam confirmados, o suspeito poderá responder por improbidade administrativa, falsidade de atestado médico, uso de documento falso, falsificar atestado (em razão de função pública) e infrações sanitárias.

Em nota, a Prefeitura de Formiga informou que toma conhecimento da investigação, e que desde o início da imunização contra a Covid-19, foi exigido atestado médico em caso de comorbidades para evitar fraudes e fura-filas. Não há envolvimento dos servidores da saúde, uma vez que não cabe a eles questionar os relatórios médicos dos imunizados. 

A Polícia Civil segue investigando o caso. 

Leia mais:

Saiba como denunciar casos de 'fura-filas' na vacinação contra a Covid-19

Testes clínicos da ButanVac, vacina 100% brasileira, começam nesta sexta em Ribeirão Preto (SP