A Polícia Civil prendeu um casal suspeito de ter abandonado um feto na porta de uma casa, no bairro Cardoso, na região do Barreiro, em Belo Horizonte, na manhã de segunda-feira (1º).  A mulher, de 34 anos, mãe da criança, alegou ter cometido o crime porque estava desempregada e não tinha condições de criar o filho.

De acordo com o delegado Frederico Abelha, imagens de câmeras de segurança flagraram o momento em que o suspeito, de 23 anos, colocou a sacola com o feto, de aproximadamente 10 cm a 15 cm, na calçada da rua Pérola. “Em posse dessas imagens, os policiais passaram a entrevistar moradores do bairro Cardoso, onde o rapaz [suspeito] é bem conhecido. A equipe descobriu onde ele morava, foi até a casa dele e o entrevistou. Ele não negou os fatos e ainda deu o nome da mãe da criança”, explicou o chefe da Divisão Especializada de Investigação de Crimes Contra a Vida (DICCV).

O homem contou que uma amiga havia abortado e pedido para ele descartar o feto. A mulher, de 34 anos, foi encontrada pelos investigadores e confessou que provocou o aborto. Ela disse aos policiais que o pai da criança é um homem que conheceu em uma festa.

Ainda segundo a mulher, quando ela procurou pelo pai da criança, recebeu a orientação para que tomasse alguns chás de efeito abortivo. Ela disse que chegou a ingerir as ervas indicadas, mas que não tiveram nenhum efeito. 

Ainda segundo Abelha, a mulher então pediu ajuda ao suspeito que, juntamente com uma terceira pessoa, indicou um medicamento conhecido pela capacidade abortiva. “Ele [o suspeito] colocou os objetos - a fralda geriátrica com sangue, o edredom e o feto propriamente dito - em pontos-chave, em relação a ele e a suspeita. Ele deixou a fralda geriátrica ensanguentada na porta da casa dele, em um lixo; o edredom ele colocou na porta da casa da mãe da suspeita; e o feto ele colocou na porta da casa da avó da suspeita”, detalhou o delegado Alexandre Fonseca. 

O suspeito alegou ter feito isso para que a família da mulher ficasse sabendo sobre o aborto. O objetivo era se vingar da suspeita, que teria espalhado no bairro que ele era soropositivo. A versão do homem ainda será investigada.

A mulher foi encaminhada ao hospital e a polícia vai investigar onde eles adquiriram o medicamento utilizado no aborto. A terceira pessoa envolvida no crime ainda não foi localizada.

Os suspeitos vão responder pelos crimes de aborto e ocultação de cadáver.