Uma reunião marcada para a tarde desta quarta-feira (3), entre o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, e integrantes do Comitê de Enfrentamento à Covid-19, pode redefinir o funcionamento do comércio e serviços não essenciais. O encontro vai discutir o atual cenário da pandemia na capital.

Um recuo na flexibilização para barrar o avanço da enfermidade não está descartado devido ao avanço da doença na cidade. Desde segunda (1º), dois dos principais indicadores que avaliam a evolução do coronavírus estão em alerta vermelho, segundo o boletim epidemiológico da prefeitura.

Na terça (2), a taxa de ocupação de leitos de terapia intensiva voltou a subir e chegou a 76,3%. Já a taxa de transmissão da doença, o chamado índice Rt, que disparou nos últimos dias, está em 1,20.

Isso significa que, em média, cada grupo de 100 contaminados pelo coronavírus pode transmitir a doença para outras 120 pessoas. Conforme a PBH, a taxa demonstra que a velocidade de contágio aumentou "consideravelmente" – no boletim de sexta-feira (26), o Rt estava em 1,06.

Notificações da doença

Até essa terça, BH já perdeu 2.763 vidas para o novo coronavírus. Os casos confirmados no município somam 113.200. As pessoas em acompanhamento totalizam 4.824. Elas tiveram a Covid-19, não evoluíram para óbito e permanecem sob cuidados médicos.

O número de recuperados chegou a 105.613. De acordo com a prefeitura, eles receberam alta hospitalar ou, após início de sintomas há mais de 14 dias, não tiveram evolução para Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) ou óbito.

Leia mais:
Dez das 14 regiões de Minas têm pelo menos 70% de ocupação nas UTIs
Romeu Zema anuncia chegada de sexto lote com mais de 280 mil doses de vacina contra a Covid
BH vai começar a vacinar idosos acima de 80 anos; confira o cronograma de datas por idade