Belo Horizonte recebeu a doação de 650 mil comprimidos de cloroquina feita por uma rede de supermercados. A entrega dos medicamentos, que ocorreu em 2020, só foi publicada no Diário Oficial do Município desta terça-feira (02).

A Secretaria Municipal de Saúde confirmou que fez a solicitação dos medicamentos à empresa para abastecer as unidades de saúde da capital e uso em indicações formais e off label.

Os pedidos foram feitos em abril e em julho do ano passado. Segundo a prefeitura, todos os comprimidos recebidos foram distribuídos aos postos de saúde, que disponibilizam os medicamentos desde julho conforme protocolo publicado pela Secretaria Municipal de Saúde para atendimento a pacientes com Covid-19. "Em julho de 2020, a Secretaria Municipal de Saúde publicou o Protocolo “Atendimento aos pacientes com Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave – Ênfase em Covid-19”. Com a publicação do documento, o medicamento passou a ser disponibilizado em Centros de Saúde". 

A pasta informou ainda que segue o parecer do Conselho Federal de Medicina, que concede ao médico a prerrogativa de prescrever ou não qualquer medicamento nas doses recomendadas de acordo com o quadro clínico e a necessidade de cada paciente.

Entre  2018 e 2020, Belo Horizonte recebeu da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) apenas 10 comprimidos de cloroquina 150 mg, para reserva de tratamento da malária. Em dezembro do ano passado, mesmo após ter recebido a doação do supermercado, o município pediu ao estado 5 mil comprimidos. Mas, segundo a prefeitura, o Ministério da Saúde é que fez este repasse, em janeiro deste ano.

Para garantir o abastecimento, segundo a prefeitura, Belo Horizonte recebeu, em 23 de dezembro de 2020, cerca de 3 mil comprimidos remanejados de Itabirito, na Região Central de Minas.